Por decisão da Suprema Corte, governo é obrigado a retomar política do ‘Fique no México’

Medida criada no governo Trump, obriga requerentes de asilo a aguardar por audiências imigratórias no país vizinho

0
1265
Fronteira dos EUA com o México (Foto: KSAT)
Fronteira dos EUA com o México (Foto: KSAT)

Atendendo a um pedido na Justiça dos governos do Texas e Missouri, juízes conservadores da Suprema Corte determinaram a retomada da política “Fique no México” para solicitantes de asilo.

Para ativistas e advogados de imigração, essa decisão representa um retrocesso e tem graves consequências para os imigrantes. “A decisão da Suprema Corte impõe ainda mais sofrimento às famílias que vieram aos EUA em busca de segurança e esperança de dias melhores. No México, eles podem ser sequestrados, estuprados e mortos”, afirma a diretora de um centro para refugiados e imigrantes do Texas, Tami Goodlette.

Em junho deste ano, o governo havia encerrado formalmente a política “Fique no México”.

No entanto, os estados do Texas e do Missouri não concordaram com o presidente Biden e desafiaram a sua decisão na Justiça.

O governo entrou com recurso na Suprema Corte depois que um juiz do Texas decidiu que a política de Trump deveria ser aplicada, como queria o governo do Estado. Em 19 de agosto, o Tribunal de Apelações do 5º Circuito dos EUA, com sede em Nova Orleans, negou um pedido de adiamento feito pelo governo democrata.

O caso agora será encaminhado para um tribunal de apelação e pode retornar à Suprema Corte. (Com informações do Poder 360)

Mais de 80% dos americanos apoiam o acolhimento de refugiados do Afeganistão pelos Estados Unidos, de acordo com pesquisa realizada pela CBS News/YouGov. A pesquisa entrevistou 2.142 adultos em diversas partes dos EUA.

O suporte aos afegãos – que estão desesperados para deixar o país dominado pelo Talibã – vem dos Democratas e Republicanos, em especial a cidadãos daquele país que auxiliaram os americanos nos últimos 20 anos.

Quando perguntados se aprovam a decisão de Joe Biden de retirar as tropas do Afeganistão, 63% disseram que são favoráveis à decisão do presidente.

Os entrevistados (59%) disseram que os EUA não estão fazendo o suficiente para aprovar vistos e trazer esses refugiados. Outros 14% disseram que o País “está fazendo até demais” e outros 27% disseram que o necessário está sendo feito.

Cerca de 22 mil afegãos já foram retirados pelas forças militares americanas desde julho, segundo o governo. Cerca de 60 mil pessoas ajudaram os americanos nos últimos 20 anos e esperam ser retirados do Afeganistão o quanto antes.