Prefeito de Los Angeles está disposto a processar o governo Trump

Los Angeles é uma das cidades-santuário para imigrantes ameaçadas de perder verbas federais por causa de ordem executiva do presidente

0
10851
Eric Garcetti: 'a Constituição americana reza que não se pode colocar uma arma financeira na cabeça dos estados e obrigá-los a fazer o que não querem em troca da verba'

O prefeito de Los Angeles, na Califórnia, Eric Garcett, disse à CNBC que está disposto a processar o governo de Trump por causa das decisões imigratórias do novo presidente. A cidade corre o risco de perder $500 milhões em verba federal por causa das ordens executivas voltadas para a punição das chamadas cidades-santuário, que protegem imigrantes irregulares. Durante uma feira de negócios que atraiu mais de 13 mil profissionais e mais de 275 empresas de alta tecnologia, o prefeito falou à rede de notícias CNBC.

Ele disse que está confiante de que a cidade não vá perder as verbas federais mas, se perder, tomará medidas legais contra a punição. “Acho que temos uma base [de argumento] bem forte, já que a Constituição americana reza que não se pode colocar uma arma financeira na cabeça dos estados e obrigá-los a fazer o que não querem em troca da verba”, disse Garcett.

“Também julgamos que há argumentos éticos e práticos do nosso lado. Nas cidades mais abertas para imigrantes há menos crimes, mais prosperidades e menos desemprego, por isso achamos que que isso vai se sustentar na corte”, disse.

O prefeito ressaltou que a cidade não está se recusando a cooperar com os agentes federais. “Estamos apenas requisitando  que haja um mandado constitucional emitido por corte para que não abordemos alguém por causa do seu aspecto ou perguntemos a condição imigratória a alguém que foi testemunha de um crime”.

Trump e o Democrata Garcetti já conversaram sobre a proteção a imigrantes e a necessidade de manter as famílias unidas. Apesar da perseguição à imigração ilegal ser uma alta prioridade para o governo, Garcetti disse que o presidente está de “mente aberta”.

“Queremos consertar um sistema que ele também reconhece que está quebrado. Assim, há espaço para o consenso”, disse. “Mas não é uma questão ideológica. Aqui em LA, 61% dos novos negócios nas nossas ruas são abertos por imigrantes […] Acho que quando contarmos a história dessas lojas e escritórios que são responsáveis pelo nosso crescimento poderemos mudar corações e mentes”.

Uma parte fundamental da economia da cidade é o seu gigantesco porto, que está ameaçado caso Trump cumpra o plano de taxar em 20% as importações para financiar o prometido muro na fronteira com o México e caso o novo governo comece uma guerra comercial com a China. “Um em cada nove empregos na região depende dos portos de Los Angeles e de Long Beach”, disse Garcetti.

“Não vou negar as minhas convicções e o que esta cidade representa”, disse o prefeito. “Mas, em vez de promover a divisão no forte tecido social que existe aqui, continuaremos com a união, e esperamos que o presidente faça a mesma coisa no futuro”, concluiu.