Prefeito de Miami quer exigir comprovante de residência para distribuir vacina

Francis Suarez lançou o plano 'Miami First' e prometeu tomar as "medidas legais necessárias" para evitar o turismo da vacina

0
594
Prefeito de Miami, Francis Suarez (foto: Twitter)
Prefeito de Miami, Francis Suarez (foto: Twitter)

A chegada dos que já são chamados “turistas da vacina” está provocando indignação de muitos habitantes da Flórida, que pedem às autoridades para colocarem um fim a situação.

Devido ao número limitado de imunizantes, os moradores do estado temem que os turistas usem as doses necessárias para os residentes.

Mas por terem sido compradas com impostos arrecadados de contribuintes de todo o país, a regulamentação federal diz que não pode haver requisitos de endereço para a vacina.

Diante disso, o prefeito de Miami, Francis Suarez, pediu ao gerente e ao procurador municipal que “tomasse todas as medidas legais necessárias para evitar que pessoas de fora da cidade de Miami recebessem as doses antes das populações vulneráveis”.

A proposta de Suarez recebeu o slogan “Miami First” e foi apresentada nesta quinta-feira (14), durante uma reunião na prefeitura.

“Miami é uma cidade internacional”, disse Suarez. “Estamos vendo muitas pessoas que estão, na verdade, dizendo que têm prioridade sobre nossos residentes”, pontuou.

Ele disse que não sabe se é legal ou não limitar a vacinação apenas aos moradores de Miami, mas afirmou que pretende abrir um precedente.  

“Quando recebemos financiamento federal para o covid-19, só tínhamos permissão para administrá-lo na cidade de Miami”, disse ele. “Se vamos receber reembolso de despesas da cidade, temos que gastá-lo com os residentes da cidade”, analisou.

Funcionários do condado de Miami-Dade confirmaram que o posto de vacinação do Marlins Park, em Miami, irá receber até sete mil doses na próxima semana.  

Oposições ao “Miami First”

O plano de Suarez encontrou muitas objeções, como a do Gerente de Emergência do Estado, Jared Moskowitz, que se manifestou firmemente contra o “Miami First”.

“Você não pode fazer isso”, disse o diretor estadual de gerenciamento de emergência, Jared Moskowitz. “Temos mais de uma dúzia de condados com restrições fiscais. As pessoas terão que cruzar os limites do condado. Temos populações transitórias aqui no estado. Não podemos fazer esse tipo de coisa. Isso terá implicações importantes no futuro”, alertou.

Os números atuais de casos e mortes por covid-19 na Flórida são os mais altos desde março do ano passado, e nas últimas 48 horas os novos casos diários ultrapassaram 19 mil.

O governo Ron DeSantis, que nunca tornou obrigatório o uso de máscaras, aposta inteiramente na vacina para diminuir o aumento da incidência da doença.

O plano de vacinação, iniciado em meados de dezembro, está focado nos trabalhadores da área de saúde e pessoas maiores de 65 anos, que permanecem em filas, durante horas, à espera de serem imunizadas.