Prisões de indocumentados aumentam 40% no ano fiscal de 2017

Dados divulgados pelo ICE nesta terça-feira (5) mostram que 143.470 imigrantes foram detidos entre outubro de 2016 e setembro de 2017; 300 mil foram barrados na fronteira

0
2533

Na manhã desta terça-feira (5), o U.S. Immigration and Customs Enforcement (ICE) divulgou os números oficiais de suas operações realizadas no ano fiscal de 2017 – período entre outubro de 2016 até setembro de 2017 -. Os números mostram que a administração Trump tem cumprido o prometido e prendido mais imigrantes indocumentados.

No período citado acima, 143.470 pessoas foram detidas, número 40% maior do que no ano fiscal de 2016. O número de deportados foi de 226.119 (139 brasileiros segundo o Itamaraty). No mesmo período do ano passado, sob a administração de Barack Obama, o número foi de 77.806 pessoas presas.

As estatísticas mostram, também, que as agências de segurança do governo têm investido pesado na prisão de membros de gangues, traficantes de pessoas (coiotes) e traficantes de drogas. Segundo o documento do ICE, desses presos, 89% tinham alguma pendência judicial ou ficha criminal (isso inclui ordens de deportação em aberto). Entre os crimes, estão posse, consumo ou tráfico de drogas (76.503), roubo e crimes sexuais e violência doméstica (48.454), homicídio (1886) e outros crimes sérios. O ICE prendeu, ainda, 800 integrantes de gangues, número 80% maior que no ano anterior.

O diretor do ICE, Thomas Homan afirmou que 73% dos imigrantes presos tinham uma condenação criminal —a maioria deles, por infrações de trânsito ou pelo próprio fato de estarem em situação ilegal no país. Ele negou que esteja promovendo uma retaliação contra imigrantes e afirmou que o país está “cumprindo a lei”.

Ronald Vitello, do Customs and Border Protection (CBP), disse que pelo menos 300 mil indocumentados foram barrados na fronteira ou próximo a ela. Esse número é menor que o ano anterior, já que o número de tentativas também é menor.

“Eles estão no radar agora”, declarou Thomas Homan, em entrevista à imprensa na terça. “Nós vamos encontrá-los em suas casas, em seus empregos. Se alguém está no país ilegalmente, isso é um crime por si só.”

‘Cidades-santuário’

O governo americano voltou a atacar a existência das ‘cidades-santuário’, que protegem imigrantes indocumentados. Segundo o ICE, de 8.170 prisões realizadas nessas cidades, apenas 6% foram encaminhados para a Imigração. “Isso quer dizer que 7.710 imigrantes ilegais e criminosos estão soltos em nossa comunidade”, reforçou o ICE.

“Gostem ou não do presidente, ele está fazendo a coisa certa”, declarou Homan.

Homan ainda acusou as “cidades-santuário”, que protegem imigrantes sem status legal, de conduzirem uma política “insensata” e “estúpida”.

Os dados divulgados na terça também mostram que a agência de imigração realizou 226 mil deportações por ordem judicial no último ano, num ligeiro declínio em comparação com o ano anterior (quando elas somaram 240 mil).

Dados divulgados pelo ICE no dia 5 de dezembro
Dados divulgados pelo ICE no dia 5 de dezembro