‘Proud Boy’ que estava na linha de frente dos motins do Capitólio é condenado a mais de quatro anos de prisão

O réu desculpou-se por seu papel no motim, mas continuou insistindo que a eleição presidencial de 2020 foi fraudada

0
384
Joshua Pruitt admite ter violado a lei, mas ainda mantém a crença de que a eleição presidencial foi fraudada (Foto: wusa9.com)
Joshua Pruitt admite ter violado a lei, mas ainda mantém a crença de que a eleição presidencial foi fraudada (Foto: wusa9.com)

Joshua Pruitt, que se declarou culpado em junho por obstrução de um processo oficial, estava na linha de frente da multidão em 6 de janeiro de 2021, disse o juiz Timothy Kelly antes de anunciar a sentença na segunda-feira (29), condenando-o a 55 meses de prisão, segundo a CNN.

Pruitt, filmado em vídeo destruindo uma placa dentro do Capitólio e perseguindo policiais, disse que lamentou ter violado a lei, mas “acredita que a eleição foi roubada” e ainda acredita nisto, de acordo com a NBC News.

Pelo menos 896 pessoas foram acusadas por crimes relacionados aos distúrbios do Capitólio, de acordo com um rastreador mantido pelo site Insider.

Pruitt fez parte de um grupo de mensagem criado pelos Proud Boys, onde os membros conversaram sobre os planos de ir ao Capitólio e invadir o prédio em 6 de janeiro, embora ele ainda não tenha se tornado um membro oficial do grupo de extrema-direita, disse a Promotoria.

O advogado de Pruitt sugeriu que o álcool pode ter alimentado algumas de suas ações. Pruitt reconheceu em documentos judiciais em junho que quase entrou em contato com Schumer em 6 de janeiro, dizendo ter jogado uma cadeira em direção aos policiais e estava indo em direção ao metrô do Senado quando chegou perto da equipe de segurança de Schumer que estava esperando por um elevador.

Schumer e sua equipe de segurança fugiram pelo elevador depois de vê-lo, escreveu Pruitt em depoimento, segundo a NBC News. Ele é um das dezenas de membros do Proud Boy a se declarar culpado pelas acusações relacionadas à invasão realizada em 6 de janeiro.

A sentença de Pruitt vem várias semanas depois de os promotores deste caso terem proferido a sentença mais longa até hoje de todos os réus de 6 de janeiro a Guy Reffitt, membro da milícia do Texas que pegou 87 meses de prisão por trazer uma pistola semiautomática e tiras de nylon flexíveis para imobilizar pessoas ao Capitólio e ameaçar seus familiares para não denunciá-lo.