Quadrilha transportava imigrantes dentro de malas na fronteira do Texas

A líder da gangue era Erminia Serrano Piedra, conhecida como “Boss Lady”

0
1010
Imigrantes indocumentados eram escondidos em caixas para enganar os agentes de fronteira do CBP (Foto: CBP)
Imigrantes indocumentados eram escondidos em caixas para enganar os agentes de fronteira do CBP (Foto: CBP)

Erminia Serrano Piedra estava à frente de uma gangue de contrabandistas de imigrantes que operava na fronteira do Texas. Seus cúmplices até os transportavam em caminhões-tanque ou dentro de malas, de acordo com uma acusação federal.

O Departamento de Justiça informou na terça-feira (13) ter prendido uma mulher de 31 anos que liderava uma rede de traficantes de seres humanos indocumentados que tinham casas seguras, carros, caminhões e vários motoristas na fronteira entre o Texas e o México. Eles também prenderam seus sete cúmplices.

Erminia Serrano Piedra, conhecida como “Irma” e “Boss Lady”, foi responsável por uma operação de “grande escala” que transportou imigrantes do México, Guatemala e Colômbia “em condições deploráveis”, conforme descrito pelas autoridades federais em comunicado.

Ela e seus sete colaboradores foram presos recentemente no Texas, Louisiana, Mississippi e Alabama. O governo garante que conseguiu desmantelar completamente essa quadrilha e agora busca apreender quase 2.3 milhões de dólares em bens.

De acordo com a acusação, essa organização de coiotes fez com que motoristas pegassem imigrantes perto da fronteira mexicana e os levassem para casas seguras em Laredo, Austin e outras cidades do Texas.

Esses motoristas escondiam os imigrantes dentro de malas e em caixas cobertas de picapes, na traseira de caminhões de carga e até dentro de caminhões-tanque.

Esses métodos punham em risco a vida dos imigrantes indocumentados “pois muitas vezes eram mantidos em espaços fechados com pouca ventilação, sem controle de temperatura e em condições que os colocavam em grande risco”, alerta o Departamento de Justiça.

Os motoristas recebiam até $2,500 por imigrante que transportavam. Os parentes dos indocumentados tiveram de pagar valores não especificados a esta organização criminosa.

“Estes traficantes de seres humanos operavam em grande escala, valorizando muito o ganho financeiro, ao mesmo tempo em que colocavam a vida das pessoas em grande risco”, disse o vice-procurador-geral Kenneth A. Polite, da Divisão Criminal do Departamento de Justiça, no comunicado.

Os outros supostos membros desta quadrilha são Kevin Daniel Nuber, vulgo “Capitán” de 41 anos; Laura Nuber, apelidada de “Barbie”, 40; Lloyd Bexley, 51; Jeremy Dickens, 45; Katie Ann García, também conhecida como “Güera”, 39; Oliveria Piedra Campuzana, 53; e Pedro Hairo Coat, 33.

“Os contrabandistas de seres humanos são criminosos que não se importam com a vida humana”, disse Troy Miller, vice-comissário de Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP), no comunicado.

“Eles mentem para ganhar dinheiro, convencendo pessoas vulneráveis ​​a desistir do que muitas vezes são suas economias em troca de promessas vazias de chegar aos Estados Unidos. Os contrabandistas muitas vezes abandonam os imigrantes no deserto ou nas montanhas sem comida ou água, deixando-os para morrer”, acrescentou o funcionário.

A Unidade de Investigações de Segurança Nacional (HSI) de Laredo, Texas, liderou essa operação, como parte da Joint Task Force Alpha (JTFA), grupo policial criado em 2021 pelo Ministério Público Federal para combater as redes de tráfico de pessoas que operam em El Salvador, Guatemala, Honduras, México e na fronteira sul do país.

Até o momento, suas ações resultaram em mais de 100 acusações criminais e prisões nos EUA e no exterior de líderes, operadores e facilitadores de grupos de coiotes. Vários deles já foram condenados.