Rebeca Andrade ganha medalha de prata e faz história na ginástica artística

No solo, a ginasta fez a performance ao som de “Baile de Favela” e conquistou a primeira medalha olímpica da ginástica artística feminina do Brasil

0
877
Rebeca-Andrade-Jogos-Olímpicos-Tóquio-2020-Ricardo-Bufolin-CBG

A ginasta Rebeca Andrade conquistou a primeira medalha olímpica da história da ginástica feminina do Brasil, nesta quinta-feira (29), em Tóquio, no Japão. Na prova individual geral, em que vale a soma das notas dos quatro aparelhos, a brasileira só ficou atrás da americana Sunisa Lee, que levou o ouro.

Na prova, Rebeca liderou nos primeiros dois quesitos. No salto, sua especialidade, quando teve execução perfeita para receber 15.300 e sair na frente da disputa. A atleta fez uma apresentação perfeita nas barras assimétricas, em série ainda mais difícil do que apresentou nas eliminatórias, manteve a brasileira na frente entre as 24 finalistas, com nota de 14.666.

Sua maior adversária, a americana Sunisa Lee, tirou a diferença no terceiro quesito, a trave, Rebeca chegou a figurar na terceira posição, mas um recurso em sua nota na trave — que passou de um duvidoso 13.566 para um ainda criterioso 13.666 — a colocou na vice-liderança antes do último aparelho, o solo.

Na decisão, ao som da música “Baile de Favela”, Rebeca cometeu dois pequenos erros e acabou ficando em segundo lugar.