Recém-nascido morre após mulher dar à luz sozinha em prisão da Flórida

De acordo com a mãe, funcionários do presídio ignoraram seus pedidos de ajuda e lhe entregaram uma bebida isotônica [gatorade], dizendo-lhe que isso iria parar as  contrações

0
1659
Ex-gestante está processando o Departamento de Polícia do condado de Alachua, FL (foto: picflix)

Erica Thompson estava presa no Alachua County Jail, em Jacksonville, FL, quando começou a ter contrações para dar à luz, no último dia 9 de agosto.

Ela disse que estava sentindo muitas dores e pediu ajuda aos agentes penitenciários, que a ignoraram. A filha de Erica morreu pouco tempo depois, mas a mãe afirma que a criança poderia ter sido salva se o parto tivesse ocorrido em um hospital.

Agora, ela está processando o presídio por negligência e violação da lei Tammy Jackson, do estado da Flórida, que garante a todas as grávidas encarceradas o direito de serem transportadas para um centro médico sempre que entrarem em trabalho de parto.

Em entrevista coletiva, Erica falou que estava em casa já sentido dores quando policiais foram até sua residência para prendê-la, sob as acusações de dirigir com a carteira de motorista suspensa e mentir para a polícia. 

Ela estava grávida de seis meses e falou que avisou ao policial das contrações.

Registros do Alachua County Jail dão conta que a mulher deu entrada pouco antes das 10a.m. do dia 9 de agosto.  Poucas horas depois as dores aumentaram, segundo disse a ex-gestante, e a pequena Ava nasceu prematuramente na cela. A bebê foi levada para um hospital logo em seguida, mas não resistiu.

“Continuei pedindo ajuda, mas eles não fizeram nada, eu já estava gritando, chorando e implorando”, relatou ela, acrescentando que um funcionário lhe entregou bebida isotônica [gatorade], “dizendo que isso iria parar minhas contrações”.

Um porta-voz do Alachua County Sheriff’s Office disse que o incidente ainda está sob investigação, mas até o momento nenhuma autoridade policial se manifestou sobre o assunto.

A lei Tammy Jackson foi aprovada em 2020 após uma presa grávida ter dado à um luz sozinha em cela da cadeia de Pompano Beach. De acordo com a legislação, mulheres gestantes também não podem ser forçadas a irem para a prisão, podendo optar pela pena domiciliar ou trabalho voluntário, dependendo da acusação.