SeaWorld estreia em junho mais alta e veloz montanha-russa de Orlando

Batizada de Mako, atração será aberta ao público em 10 de junho; SeaWorld recentemente aboliu a criação de baleias para uso em shows e vem tentando mudar sua imagem 

0
2651
Com 61 metros de altura (o equivalente a um prédio de 23 andares), a nova atração vai chegar a 118 km/h nos seus 1.451 metros de extensão
Com 61 metros de altura (o equivalente a um prédio de 23 andares), a nova atração vai chegar a 118 km/h nos seus 1.451 metros de extensão

DA REDAÇÃO – Quem for a Orlando neste verão americano vai encontrar uma cidade, mais do que nunca, repleta de novidades. Como o AcheiUSA vem reportando nas últimas semanas, a cidade da Flórida que é sinônimo de parques de diversão prepara várias estreias de atrações para as férias prolongadas dos estudantes norte-americanos. Agora é a vez do parque SeaWorld entrar na disputa pela preferência dos milhões de turistas que visitam Orlando anualmente.

A atração que o parque estreia em 10 de junho é a montanha-russa Mako, que será a mais alta, veloz e longa da cidade. Classificada como uma hypercoaster, nome dado às montanhas-russas muito rápidas, a Mako tem quedas íngremes e que proporcionam a sensação de gravidade zero.

Com 61 metros de altura (o equivalente a um prédio de 23 andares), a nova atração vai chegar a 118 km/h nos seus 1.451 metros de extensão. As curvas fechadas e a velocidade da montanha-russa são inspiradas no tubarão mako, animal conhecido por sua velocidade, pelos enormes saltos e pela habilidade de rapidamente mudar de curso enquanto persegue uma presa.

“Na Mako, todos viverão a experiência de ser um superpredador atravessando a água em alta velocidade e perseguindo presas ao longo de um imenso arrecife”, explicou ao portal UOL Brian Morrow, diretor de Criação de Atrações do SeaWorld. “Será uma mescla selvagem de medo, emoção e diversão”.

Reposicionamento de marca

A iniciativa de inaugurar atrações radicais vem sendo vista por analistas de mercado como uma tentativa de reverter danos causados à imagem do parque pelo documentário “Black Fish”, que mostra depoimentos de ex-funcionários do SeaWorld afirmando que baleias sofrem maus tratos em cativeiro. O documentário foi exibido pela CNN em 2014 e está atualmente em cartaz no menu da Netflix.

Recentemente em um movimento para reposicionar sua marca e superar uma crise de imagem, o SeaWorld anunciou que vai acabar com os shows acrobáticos envolvendo baleias no parque de San Diego a partir de 2017. Baseada em Orlando, a empresa SeaWorld Entertainment opera 11 parques nos EUA, três deles que abrigam baleias: SeaWorld San Diego, SeaWorld San Antonio e SeaWorld Orlando. A decisão, no entanto, só afeta a unidade do parque na Califórnia.