Antonio Tozzi Esportes

Seleção Brasileira se prepara para a Copa América

Luis Guilherme troca o Palmeiras pelo West Ham. Mais um jovem craque que deixa o Brasil para brilhar na Premier League (Foto: West Ham/Divulgação)
Luis Guilherme troca o Palmeiras pelo West Ham. Mais um jovem craque que deixa o Brasil para brilhar na Premier League (Foto: West Ham/Divulgação)

A Copa América começa na próxima semana – aguarde nossa edição especial sobre essa importante competição. O técnico da Seleção Brasileira, Dorival Junior, testou jogadores convocados em dois jogos amistosos realizados nos dias 8 e 12 de junho.

Jogando no Texas, os brasileiros derrotaram os mexicanos por 3 a 2, com gols de Andreas Pereira, Gabriel Martinelli e Endrick, que marcou nos acréscimos, decretando a vitoria da Verde-Amarela sobre o selecionado azteca. 

No amistoso realizado em Orlando, Flórida, contra o selecionado americano, o Brasil ficou no empate em 1 a 1 com gols de Rodrygo e Pulisic para os donos da casa, ambos na primeira etapa. Foi um jogo aberto, com oportunidades para os dois lados e o placar não foi alterado, graças as boas atuacoes dos arqueiros que evitaram novos gols – embora o consenso geral foi o de que Alisson falhou no gol do adversário. Na verdade, devemos enaltecer a magistral cobrança de falta do meia que atua no Milan, que colocou a bola no cantinho e contou com a ação de dois atacantes americanos, que confundiram o arqueiro brasileiro.

Como era de se esperar, choveram criticas aos jogadores brasileiros, ao treinador e a CBF. Nas redes sociais, era comum ver comentários do tipo  “Seleção mercenária”, “Seleção de empresários”, “Dorival se rendeu a estrutura da CBF” e outros do mesmo tipo.

Cabe aqui uma explicação. Segundo alguns analistas, os torcedores brasileiros perderam a conexão com a Seleção Brasileira porque a maioria dos convocados atua fora do pais. Como sou de outra geração, lembro muito bem das discussões de torcedores sobre os convocados. Todos queriam que os jogadores de seu time estivessem na lista para gozar os torcedores dos outros times. Hoje, poucos conhecem os selecionados, pois eles jogam para times de outras ligas, sobretudo as europeias. Sendo assim,  há pouco entusiasmo com os jogadores escalados para iniciar as partidas – e o mesmo ocorre no momento em que o treinador processa as subsitutiçoes.

Não é raro ouvirmos sugestões como “o treinador deve chamar apenas aqueles que atuam no futebol brasileiro” ou “o torcedor precisa se identificar com os craques para torcer pelo selecionado nacional”. 

Em principio, parece uma atitude lógica. No entanto, em uma análise fria, ela não se sustenta. Ora, se a comissão técnica convocar apenas os jogadores que atuam em clubes brasileiros estará perdendo qualidade. Evidentemente, os melhores já estão atuando nas principais ligas europeias e seria pouco inteligente prescindir do talento deles.

Além disso, seria preciso montar uma nova seleção a cada nova convocacão porque aqueles que se destacassem seriam negociados com clubes do exterior. Dessa forma, perderiamos qualidade técnica a cada nova chamada.

Acrescente-se a isso, o desejo dos atletas em atuar nos clubes de maior visibilidade do futebol mundial. Recentemente, o Palmeiras, dono da melhor base de atletas do futebol brasileiro, negociou três joias da base a precos atraentes: Endrick foi para o Real Madrid por 72 milhões de euros, Luis Guilherme se transferiu para o West Ham, da Inglaterra, por 30 milhões de euros (e o Palmeiras anda manteve 20% de direito sobre seu passe) e Estevão foi negociado com o Chelsea, também de Londres, por 65 milhões de euros. Por ter apenas 17 anos, esse somente irá para a Europa no meio do ano que vem.

Não tem como os clubes brasileiros resistirem a essas ofertas. Ou seja, três jogadores que podem ser convocados para a Seleção Brasileira principal não atuam mais pelo Palmeiras. Endrick, aliás,  já é uma realidade e foi convocado por Dorival Junior para ser o camisa 9 do Brasil na Copa América.

Para compensar a perda desses jovens atletas, os clubes brasileiros recorrem aos talentos que atuam em clubes sul-americanos. Atualmente há mais de 150 estrangeiros jogando nos times do Brasil. Dessa forma, eles acabam suprindo a perda dos talentos brasileiros. Vale destacar ainda que os sul-americanos que optam pelo Brasil, em sua maioria, acabam assinando com nossos clubes depois de não conseguirem se encaixar em alguma equipe da Europa ou de mercados alternativos como Asia, Oriente Médio e EUA, onde a Major League Soccer (MLS) vem-se fortalecendo a cada ano, atraindo cada vez mais interesse dos jogadores estrangeiros, da midia e dos torcedores. O CF Inter Miami, que contratou Lionel Messi, é um bom exemplo da forca do MLS no cenários futebolistico mundial.

Quem chama os brasileiros de “mercenários” nao entende nada de mercado da bola. Basta ver a Argentina, atual campeã mundial. A Albiceleste não tem nenhum jogador convocado que atua no futebol argentino. Isto se repete com Uruguai, Colombia, Equador e as outras seleções da America do Sul.

Ou seja, o selecionado argentino também poderia ser qualificado como “time de empresários, “mercenários”, “vendidos” e outros epitetos do tipo. Por terem conquistado o titulo da Copa do Mundo pela terceira vez, foram exaltados em seu pais e por toda midia e torcedores dos outros paises. Lionel Messi saiu consagrado como um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos e outros herois improvaveis como o goleiro Emiliano “Dibu” Martinez inscreveram seus nomes no panteão da gloria.

Indepentemente de ter sido o capitão da seleção argentina na conquista da Copa do Mundo, Messi já figurava no cenário do futebol mundial como um dos maiores jogadores de futebol em todos os tempos. Seus feitos transcediam um mês de competição durante o periodo da Copa do Mundo. Seus dribles desconcertantes, passes magistrais e gols magnificos estão marcados como  deleite para admiradores do esporte mais popular do mundo. Jogadores fenomenais como Johann Cruyff, Zico, George Weah e Cristiano Ronaldo nunca venceram uma Copa do Mundo e nem por isto deixaram de ser exaltados como jogadores extra classe. Do outro lado, jogadores inexpressivos conquistaram o troféu, simplesmente porque estavam nos elencos campeões. Tudo é questão de ponto de vista.  

Como citei anteriormente, isso não passa de justificativas precipitadas e de análises equivocadas sobre a Seleção Brasileira. Para citar um eventual desempenho, tudo está condicionado ao resultado final.

Vamos imaginar que o Brasil chegue as finais da Copa  América esse ano e da Copa do Mundo de 2026, coincidentemente ambas disputadas nos Estados Unidos, sendo que na Copa do Mundo haverá partidas disputadas no Canadá e no México tambem.

Se a Seleção Brasileira chegar a final da Copa America e perder nos pênaltis, com Vinicius Jr. desperdiçando a ultima cobranca, todo o trabalho da comissão tecnica e dos jogadores será criticado impiedosamente, com comentários do tipo: “Esse ai nao tem espirito de seleção”, Mercenário, somente joga em clube”, “Dorival nao tem gabarito para treinar o Brasil” e ai por diante.

Dois anos depois, o Brasil chega a final para enfrentar a França. Novamente, a decisão do titulo vai para a série de penalidades maximas. Os quatro batedores dos dois selecionados convertem suas cobranças. O quinto pênalti, batido por Mbappe, se choca com a trave direita e vai para fora. Chega, então, a vez de Vini Jr. Ele bate com firmeza no angulo esquerdo e garante o hexacampeonato para o Brasil. Os comentários mudam completamente: “O Brasil possui o melhor futebol do mundo”, “Mbappe não serve para engraxar as chuteiras de Vini Jr.”, “Tem de respeitar o futebol brasileiro”  e outras exaltações deste gênero.

Essa simulação serve para tentar trazer para a realidade o atual cenário do futebol mundial. O Brasil sempre será um dos candidatos aos principais titulos do futebol mundial, entretanto, ele não é dominante, como muita gente imagina. Ironicamente, esses comentários dispares são feitos por pessoas que não tem como hábito acompanhar futebol com regularidade. Muitas vezes partem daqueles que apenas vestem a camisa verde-amarela em épocas de Copa do Mundo. Para esses um conselho: aprendam a gostar de futebol e entender que não passa de uma modalidade esportiva como outra qualquer na qual haverá apenas um ganhador. E nem sempre é o time ou a seleção para qual torcemos.


Florida Panthers em busca do seu primeiro título na NHL

Equipe do sul da Florida pode faturar o campeonato da NHL (National Hockey League) pela primeira vez (Foto: Hockey News/Florida Panthers)
Equipe do sul da Florida pode faturar o campeonato da NHL (National Hockey League) pela primeira vez (Foto: Hockey News/Florida Panthers)

Florida Panthers é a equipe favorita para conquistar a Stanley Cup 2024. Depois das duas vitórias obtidas em Sunrise, eles jogaram na quinta-feira (13) no Canadá e, caso tenham vencido, ficam a uma vitória de ganha a primeira Stanley Cup. Florida Panthers desponta como favorito nas apostas sobre os Edmonton Oilers e estão a apenas duas vitórias do seu primeiro título na história do franchise, de acordo com as probabilidades nos melhores sites de apostas da NHL.

A próxima partida está marcada para o sábado (15), 8:00PM. O jogo será transmitido pela ABC.


Boston Celtics com a mão na taça

Liderado por Jason Tatum, Boston Celtics pode se tornar o maior vencedor da NBA em todos os tempos (Foto: Boston.com)
Liderado por Jason Tatum, Boston Celtics pode se tornar o maior vencedor da NBA em todos os tempos (Foto: Boston.com)

Nem mesmo a classe e o esforço dos craque Kyrie Irving e Luka Doncic parece ser suficiente para impedir o Boston Celtics de se sagrar campeão da NBA pela décima oitava vez em sua história. Com o placar agregado de 3 a 0 sobre o Dallas Mavericks, o vencedor da Conferência Leste precisa de apenas uma vitória para se isolar como o maior ganhador de títulos do basquete americano. Boston Celtics estão empatados como os maiores ganhadores, ambos com 17 conquistas cada.

A próxima partida está marcada para a sexta-feira (14), 8:30PM. O jogo será transmitido pela ABC.

Compartilhar Post:

Baixe nosso aplicativo