Tempestades no Rio de Janeiro matam dez pessoas

Cidade vive dia de caos com grande volume de chuvas, que começaram na noite de segunda-feira (8)

0
1278
Chuvas levam caos e mortes ao RJ Foto: REUTERS Lucas Landau
Chuvas levam caos e mortes ao RJ Foto: REUTERS Lucas Landau

As fortes chuvas que atingem o Rio de Janeiro desde a noite de segunda-feira (8) já deixaram pelo menos dez mortos e diversos desabrigados. A cidade está em estágio máximo de crise e a prefeitura pediu para que as pessoas não saiam de suas casas.

No total, 39 sirenes foram acionadas em 21 comunidades e áreas de riscos de deslizamentos. Pela quarta vez desde que ficou pronta em 2016, um trecho da Ciclovia Tim Maia, que margeia a orla de parte da zona sul, desabou. Desta vez, não houve vítimas. Ainda assim, Crivella disse que o uso da via é seguro.

“A Ciclovia Tim Maia é segura, sim, desde que não tenha desabamento. Sempre que há chuva forte nós pedimos para que não usem, a interditamos. Pedimos às pessoas para que não saiam de casa, evitem”, disse o prefeito Marcelo Crivella em entrevista à Globo News.

“O trabalho de prevenção de crise não foi efetivo não. Imaginávamos que viria chuva forte, mas não imaginávamos que fosse cair com tanta força na zona sul”, reconheceu Crivella. As aulas na rede municipal de ensino foram canceladas e foi decretado ponto facultativo nas repartições estaduais da região metropolitana do Rio.

Pela manhã, funcionários da prefeitura ainda tentam remover árvores caídas e carros que foram arrastados para o meio das ruas pela correnteza.

Também na zona sul, no morro da Babilônia, no Leme, duas irmãs morreram soterradas por um deslizamento. Elas foram identificadas como Doralice Nascimento, 55, e Gerlaine Nascimento, 53.

Três pessoas que estavam dentro de um táxi morreram. Elas foram identificadas como Marcelo Tavares, Lúcia Xavier Neves e sua neta Júlia Neves.

Recorde de chuvas

De acordo com a prefeitura, em um intervalo de quatro horas choveu mais do que nos dias 6 e 7 de fevereiro, quando fortes chuvas atingiram a cidade pela última vez, provocando deslizamentos de terra e seis mortes.

A Defesa Civil do Rio informou que foram feitas 1.700 ocorrências de risco por causa das chuvas. A região da Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade, foi a que concentrou maior volume de alagamentos choveram 212 mm.