Treinador do Patriots recusa a Medal of Freedom de Trump

Bill Belichick, seis vezes campeão do Super Bowl à frente da equipe de New England, disse em nota que “os trágicos acontecimentos da semana passada (… ) me levaram a não seguir adiante com a honraria”

0
674
Bill Belichik (d) venceu seis vezes o Super Bowl no comando do New England (James Lang-USA TODAY Sports)

O treinador dos New England Patriots, Bill Belichik, anunciou na segunda-feira (11) que vai recusar a Presidential Medal of Freedom que receberia do presidente Trump. A notícia de que o presidente faria a homenagem ao vencedor de seis Super Bowls veio no domingo seguinte aos ataques ao Capitólio realizados por uma multidão de simpatizantes de Trump que deixaram cinco pessoas mortas.

“Recentemente, tive a oportunidade de receber a Presidential Medal of Freedom, com que fiquei lisonjeado pelo respeito que essa honraria representa e a admiração pelos que já foram homenageados por ela”, escreveu Belichick em uma nota à imprensa. “Subsequentemente, ocorreram os trágicos acontecimentos da semana passada que me levaram à decisão de não seguir adiante com a honraria”.

“Acima de tudo, sou um cidadão americano com grande reverência pelos valores da nossa nação, liberdade e democracia. Sei também que represento minha família e a equipe dos New England Patriots”, concluiu o treinador.

A Casa Branca define a ‘Medal of Freedom’ como “uma condecoração do presidente dos Estados Unidos para indivíduos que fizeram contribuições excepcionais para a a segurança ou os interesses americanos, para a paz mundial, para a cultura, ou outras atividades públicas e privadas”.