“Vai ganhar”, diz brasileiro diretor de “O Menino e o Mundo”, indicado ao Oscar

0
1344

Cineasta Alê Abreu acredita que seu filme pode bater o favorito “Inside Out”, da Pixar, e dar primeiro Oscar ao Brasil

DIVULGAÇÃO
Tweet da presidente Dilma mostra foto junto ao diretor de O Menino e o Mundo e elogios à produção

Tweet da presidente Dilma mostra foto junto ao diretor de
“O Menino e o Mundo” e elogios à produção

DA REDAÇÃO (com Veja) – Indicado ao Oscar de Melhor Animação, o longa brasileiro “O Menino e o Mundo” tem concorrentes de peso, incluindo o elogiado “Inside Out”, da gigante Pixar. Mas para seu diretor, Alê Abreu, o filme tem, sim, chances de dar o Brasil sua primeira estatueta do prêmio mais cobiçado do mundo do cinema.

Apesar de saber que esta é uma “luta de Davi contra Golias”, já que “Inside Out” é o favorito da categoria, e que o filme brasileiro é a zebra, o cineasta de 44 anos se mantém confiante. “Já era muito difícil uma indicação. Já é uma vitória ter sido selecionado. Agora, tenho que acreditar que ele vai ganhar”, disse à revista “Veja”. “Porém, tenho os pés no chão. Estamos competindo com filmes que são pesos pesados do cinema americano, animações de orçamentos gigantescos.”

A animação brasileira narra as aventuras de um menino que vive em uma cidade isolada e que um dia se lança em uma missão para encontrar seu pai.

Usando a fantasia e a inocência, o filme aborda problemas como globalização, crise econômica e perda de valores.

Feito de forma independente, com um modesto orçamento de R$ 1,5 milhão (estima-se que “Inside Out”, por exemplo, tenha custado cerca de $170 milhões), o longa passa longe de ser simples. Com poucas falas e visto sob a ótica de uma criança, a animação mistura traços de lápis de cor, giz de cera com colagens e recortes, embalada por uma poderosa trilha sonora. No plano de fundo, temas como desemprego e desigualdade social são abordados com sensibilidade. Aos que perderam o filme na época da estreia, terão uma nova chance de conhecer a aventura: o longa retorna aos cinemas brasileiros a partir da semana que vem.

Abreu acredita que o tom da história de seu longa é “universal” e credita a isso o apelo do filme junto ao júri da Academia de Cinema. “O filme tem um tom muito universal. Quase não tem diálogo, ele fala com a imagem. Tem uma personalidade. Ele conquistou sozinho tudo isso, pois não tivemos um grande investimento de divulgação. Já para o Oscar, estive em Los Angeles, Nova York, em lançamentos especiais do filme. Isso deu um impulso. As críticas foram positivas e poderosas. O New York Times nos chamou de “inside in”, uma piada com “Inside Out” e disse que éramos o melhor filme do ano junto com o longa da Pixar. As boas críticas lá fora com certeza nos ajudaram a conquistar a indicação ao Oscar.”

O Oscar acontece no próximo dia 28. Será a 88ª edição do prêmio mais importante do cinema mundial. Além de “Inside Out”, “O Menino e o Mundo” concorre com mais três filmes: “Anomalisa”, “Shaun, o carneiro” e “Quando estou com Marnie”.

Dilma viu e gostou
No último dia 2, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, assistiu, no Palácio da Alvorada, residência oficial, a uma sessão de cinema de “O Menino e o Mundo”. Segundo a assessoria da presidente, foram convidados para a sessão no palácio ministros e pessoas ligadas ao cinema.

Após a exibição do filme, Dilma publicou mensagem no microblog Twitter elogiando a obra. “Foi um prazer assistir à cor, à textura, à música e à poesia de “O menino e o mundo”. Lindo! #OMeninoEoMundoNoOscar”, postou. “Estou acompanhando o sucesso do filme e torcendo p/ comemorarmos juntos a conquista da estatueta de Melhor Animação, no dia 28/02! Airgela!”, completou.