Vaticano reconhece segundo milagre e brasileira Irmã Dulce será proclamada santa

A beata será a primeira mulher nascida no Brasil a ser canonizada. Novo milagre atribuído a ela é sobre uma pessoa que dormiu cega e acordou enxergando, informou Arquidiocese de Salvador

0
1214
Segundo milagre atribuído à Irmã Dulce é reconhecido em decreto e ela será proclamada Santa, diz Vaticano. — Foto Reprodução Site da Osid
Santa Dulce dos Pobres (Foto: Obras Sociais Irmã Dulce/Acervo)

Um novo decreto assinado pelo Papa Francisco reconhece um segundo milagre atribuído à brasileira Irmã Dulce e ela será proclamada santa. A informação foi divulgada hoje pelo “Vatican News”, canal oficial de comunicação do Vaticano. O site afirma que a canonização da Irmã Dulce acontecerá em “solene celebração de canonizações”, mas a data não foi divulgada.

O novo milagre atribuído a ela é sobre pessoa que dormiu cega e acordou enxergando, informou Arquidiocese de Salvador.

Nascida como Maria Rita Lopes de Sousa Brito, em 1914, Irmã Dulce será a primeira brasileira (nascida no Brasil) a virar santa. Ela morreu em 1992 em Salvador.

Para virar santa, uma pessoa precisa ter ao menos dois milagres reconhecidos. Irmã Dulce já teve um deles reconhecido pela Santa Sé e que motivou sua beatificada em 2011. Desde então, mais de 3.000 relatos de graças alcançadas pela sua intercessão chegaram ao Vaticano. Os peritos consideraram três deles consistentes o suficiente para motivar a abertura de um processo de canonização.

Eles foram enviados ao Vaticano, em 2014, pelas Obras Sociais Irmã Dulce, instituição social fundada por ela em 1959. As investigações correm em sigilo.

O primeiro milagre atribuído a ela e que lhe rendeu a beatificação aconteceu em 2001, em Itabaiana (SE). Cláudia Cristiane dos Santos havia sido desenganada pelos médicos depois de dar à luz, devido a um quadro muito grave de hemorragia. Após 28 horas e três cirurgias, os médicos viram se esgotar as possibilidades de tratamento.

O padre José Almi de Menezes teria rogado à Irmã Dulce, de quem era devoto, pelo salvamento da paciente. Durante as orações, a hemorragia parou, o que se constituiu no milagre reconhecido pelo Vaticano. Para ser considerado um milagre um fato precisa ter quatro requisitos: ser instantâneo, perfeito, duradouro e inexplicável.

Quem foi Irmã Dulce?

Soteropolitana e conhecida como “Anjo Bom da Bahia”, ela teria 105 anos se estivesse viva. A religiosa se dedicou ao trabalho social nas ruas da capital baiana. Começou prestando assistência à comunidade favelada dos bairros de Alagados e de Itapagipe e depois, fundou a União Operária São Francisco, primeiro movimento cristão operário de Salvador e o Círculo Operário da Bahia, que proporcionava atividades culturais e recreativas, além de uma escola de ofício. (Com informações do UOL)