Afastada, Dilma diz que impeachment é golpe

“A luta contra o golpe é uma luta que pode ser vencida e nós vamos vencer”, disse Dilma

0
1382
Dilma Rousseff afirmou que o processo de impeachment é “fraudulento” e um “verdadeiro golpe”
Dilma Rousseff afirmou que o processo de impeachment é “fraudulento” e um “verdadeiro golpe”

Em seu primeiro discurso como presidente afastada, na manhã de quinta-feira (12), Dilma Rousseff afirmou que o processo de impeachment é “fraudulento” e um “verdadeiro golpe”. As informações são da BBC Brasil.

Aplaudida diversas vezes durante sua fala no Palácio do Planalto, a petista disse que o que está em jogo no processo é “o respeito às urnas, a vontade soberana do povo brasileiro e a Constituição”. Ainda em seu discurso de saída do Planalto, Dilma afirmou que não cometeu crime de responsabilidade e se disse alvo de injustiças.

“É um processo frágil, juridicamente incompetente, é a maior das brutalidades que pode ser cometida contra qualquer ser humano: puni-lo por um crime que não cometeu. Não existe injustiça mais devastadora do que condenar um inocente.”

A presidente afastada afirmou também que o processo partiu de uma oposição “inconformada” com o resultado das eleições e que passou a “conspirar abertamente” pelo seu afastamento.

“Tenho sido alvo de intensa e incessante sabotagem. O objetivo evidente tem sido me impedir de governar.”

E acrescentou que o maior risco para o país é ser dirigido por um governo “sem voto, que não tem legitimidade”.

Apesar de se referir ao processo como um dos “desafios” mais dolorosos que já enfrentou, ao lado da tortura durante a Ditadura Militar e do câncer, Dilma disse que “vai lutar com todos os instrumentos legais” para exercer seu mandato até o fim.

“A população saberá dizer não ao golpe. Aos brasileiros que são contra o golpe, faço um chamado: mantenham-se mobilizados, unidos e em paz. A luta para democracia não tem data para terminar. E nós vamos vencer.”

Enquanto falava, Dilma foi cercada por senadores e deputados aliados, ex-ministros e ministros, como Aloizio Mercadante (Educação) e Izabella Teixeira (Meio Ambiente), a maioria com peças de roupa vermelhas.