Alexandre Barros discute futuro político do Brasil

0
1283

O analista político de Brasília, em sua palestra em Miami no último dia 4 de agosto, foi taxativo, em entrevista ao AcheiUSA: “Ninguém, em sã consciência, poderia imaginar que haveria tanta corrupção no governo do PT”.

Alexandre Barros

O analista político de Brasília, em sua palestra em Miami no último dia 4 de agosto, foi taxativo, em entrevista ao AcheiUSA: “Ninguém, em sã consciência, poderia imaginar que haveria tanta corrupção no governo do PT”. Ele fez questão de lembrar um comentário feito por uma lobista de Brasília, sua amiga: “Não sei porque as empresas estão tão surpresas. É só ver como se faz política sindical no Brasil”.

Barros admitiu que a observação fazia sentido. Política sindical no Brasil (e em qualquer lugar do mundo) envolve subornos, agressões, intimidações e até mesmo assassinatos. Não é à toa que os crimes envolvendo as mortes dos prefeitos de Campinas e de Santo André, ambos do PT, figuram como fantasmas a assustar os membros do partido que está no poder.

Apesar de tudo, Barros acredita que é pouco provável que Luiz Inácio Lula da Silva sofra impeachment. Em sua análise, “as elites não querem nenhum tipo de mudança, porque o país mantém sua estabilidade e ninguém tem interesse que o Brasil comece a passar por um período de instabilidade política, que pode prejudicar o país como local para investimentos”.

Política econômica conservadora – Barros compara Lula a Richard Nixon, presidente americano que sofreu impeachment por causa do caso Watergate. Nixon, que governou os EUA no início dos anos 70 (em plena época da Guerra Fria), foi o grande artífice da aproximação de seu país com a China, então uma potência comunista, ainda vivendo sob a ideologia implantada por Mao Tse Tung. “Todos sabiam que Nixon era um sujeito ultra conservador e, ironicamente, foi ele quem procurou os comunistas para negociar. Com relação à Lula, ocorreu algo similar. Os capitalistas temiam o sindicalista no poder e, no entanto, é sob seu governo que está acontecendo a política econômica mais conservadora do Brasil nos últimos tempos”, lembra.
Os participantes da palestra queriam saber sobre as previsões para o futuro da política brasileira. Em vez de responder às perguntas, até porque ele mesmo admitiu não ter nenhuma bola de cristal para saber o que vai acontecer no futuro, Barros deixou um questionário para os convidados responderem antes do início da palestra.

Resultado do questionário – Após receber o resultado da pesquisa, ele levou os questionários, fez uma tabulação e apresentou sua análise. Em termos gerais, 73,6% (42 pessoas) dos respondentes acham que o presidente Lula ou vai até o fim do mandato e perde a reeleição ou vai até o fim do mandato e consegue se reeleger. Destes, metade ficou com a primeira alternativa e metade ficou com a segunda. Só um respondente acha que Lula cai antes do fim do mandato e 22,8% pensam que ele termina o mandato, mas não vai candidatar-se à reeleição. Ninguém acha que Lula cairá, empurrando o Brasil para uma situação de instabilidade política.

Respondendo a outra pergunta, 40,4% (23) acreditam que Lula concorrerá à reeleição, mas não conseguirá ser reeleito e 35,1% (20) pensam que o presidente terminará o mandato, mas não se candidatará à reeleição. Só 15,86% (9) acham que ele concorrerá à reeleição e vencerá. Um resultado animador é que 47,4% (27) dos respondentes não têm planos de retirar investimentos do Brasil, ou reduzir sua exposição em investimentos ligados ao Brasil.
Se dependesse da previsão dos participantes do almoço, na próxima eleição, Lula e Geraldo Alckmin terminariam empatados, cada um com 28,1% (16) dos votos. Serra ficaria em terceiro com 17,5% (10) dos votos e Aécio Neves em quarto com 7% (4).

Não à intervenção militar – Com relação ao fim prematuro do governo Lula, a notícia animadora é que 43,9% (25) dos respondentes achariam uma intervenção militar “muito ruim” e 15,8% “horrível”. Somente dois respondentes (3.6%) achariam esta opção “excelente” ou “aceitável” respectivamente. Ponto para a democracia. Perguntados sobre outras alternativas no caso de um fim prematuro do mandato do presidente Lula, a maioria – 63,1% (36) – acharia “excelente” ou “aceitável” a solução constitucionalmente correta de passar o bastão ao vice-presidente José de Alencar. Outro ponto para a democracia.

Tanta sorte não tiveram nem o presidente da Câmara, deputado Severino Cavalcanti nem o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Nelson Jobim: 61,5% (35) e 45,6% (26), respectivamente, acharam que uma solução negociada envolvendo qualquer uma destas duas autoridades seria “muito ruim” ou “horrível”. Outro ponto para a democracia: soluções que passassem por cima da constituição, mesmo que negociadas, não teriam grande aceitação. Uma solução que envolvesse qualquer outro presidente para um mandato tampão também não foi bem aceita por 59,7% (34).

Outra notícia animadora foi que 89,5% (51) dos respondentes concordaram com a afirmação que, em relação ao Brasil, vale a pena pensar a longo prazo – 10, 20 anos -, pois daqui a uma ano esta crise estará terminada e o Brasil continuará a ser um bom mercado. Isto é bom porque a maioria dos participantes da palestra era formada por executivos, advogados e consultores.

Previous articleSoldados na rua da amargura
Next articleCardeal Ratzinger é o novo Papa
Fundado em outubro de 2000, o AcheiUSA Newspaper é um jornal semanal em português distribuído gratuitamente por centenas de estabelecimentos comerciais brasileiros, americanos e hispânicos, espalhados pelo estado da Flórida. Com notícias locais, imigração, cultura, agenda de eventos, cobertura social, negócios e a maior seção de anúncios classificados grátis em português fora do Brasil, o AcheiUSA é o mais completo e popular portal para os brasileiros vivendo nos Estados Unidos.