As taxas de hipotecas de 30 anos nos EUA aumentam para 3.22%, a maior desde maio de 2020

Inflação mais alta, crescimento econômico promissor e mercado de trabalho restrito são fatores que impulsionam a subida das taxas de juros

0
743
Tomadores de empréstimo estão pagando mais pelo financiamento dos imóveis (Foto: Freddie Mac/Bloomberg)
Tomadores de empréstimo estão pagando mais pelo financiamento dos imóveis (Foto: Freddie Mac/Bloomberg)

DA REDAÇÃO – As taxas de hipotecas nos EUA saltaram para o nível mais alto desde os primeiros meses da pandemia.

A média para um empréstimo de 30 anos foi de 3.22%, ante 3.11% na semana passada e a maior desde o final de maio de 2020, disse a Freddie Mac em um comunicado na quinta-feira (6).

Custos de empréstimos mais baixos ajudaram a alimentar um mercado imobiliário que está aquecido há quase dois anos. As taxas despencaram em 2020, enquanto a Covid-19 agitava a economia global e atingia uma baixa recorde de 2.65% um ano atrás. Apesar do aumento recente, as taxas permanecem relativamente baixas pelos padrões históricos.

“Com uma inflação mais alta, um crescimento econômico promissor e um mercado de trabalho restrito, esperamos que as taxas continuem subindo”, disse Sam Khater, economista-chefe do Freddie Mac. “O impacto das taxas mais altas na demanda de compra permanece modesto até agora.”

As taxas rastrearam um ganho nos rendimentos dos títulos do Tesouro de 10 anos, que brevemente superou 1.75% na quinta-feira. Os rendimentos do Tesouro subiram esta semana, com os investidores se preparando para o Federal Reserve redobrar seus esforços para controlar a inflação.

Na média atual, o pagamento mensal de uma hipoteca de $300.000 seria de $1.301. Isso é mais do que $1.209 há um ano. Com poucas propriedades disponíveis para compra em um mercado restrito, muitos americanos têm lutado para encontrar casas que possam pagar. Essas preocupações com a acessibilidade podem se aprofundar se as taxas continuarem subindo.

As taxas provavelmente aumentarão “modestamente” este ano, mas ficarão abaixo de 4%, de acordo com Greg McBride, analista financeiro-chefe do Bankrate.com. Ainda assim, isso parecerá alto “em relação aos mínimos históricos que vimos nos últimos 18 meses”, disse ele.