Ativista russo é internado com sinais de envenenamento

Pyotr Verzilov começou a passar mal na terça-feira (11) à tarde, poucas horas depois de um julgamento em que teve de comparecer por acusações de desobediência

0
1283
Pyotr Verzilov é ativista do Pussy Riot (Foto: VASILY MAXIMOV/AFP/Getty Images)
Pyotr Verzilov é ativista do Pussy Riot (Foto: VASILY MAXIMOV/AFP/Getty Images)

Um membro do Pussy Riot foi internado em estado grave em Moscou, na Rússia, anunciou nesta quinta-feira (13) uma integrante do grupo russo de ativistas, que não descartou a possibilidade de envenenamento.

Veronika Nikulchina afirmou que Pyotr Verzilov começou a passar mal na terça-feira (11) à tarde, poucas horas depois de um julgamento em que teve de comparecer por acusações de desobediência.

Veronika Nikulchina e Piotr Verzilov estavam entre os quatro integrantes do grupo Pussy Riot que invadiram o gramado durante a final da Copa do Mundo da Rússia-2018, entre França e Croácia. Eles foram condenados a 15 dias de prisão por esta invasão.

“Durante a tarde, começou a passar mal. Perdeu a visão. Depois não conseguia falar, não me reconhecia”, afirmou Veronika Nikulchina, que é namorada de Verzilov, à rádio Eco de Moscou.

Verzilov está internado na unidade de recuperação toxicológica de um hospital de Moscou. De acordo com Nikulchina, “os médicos dizem que o estado é grave, mas não divulgam informações”.

Seus amigos relataram que a mãe do ativista tentou visitá-lo no hospital, na quarta-feira (12), mas os funcionários do local não permitiram, e “inclusive recusaram informar a ela o estado de saúde e o diagnóstico preliminar de Verzilov”.

Os amigos do ativista denunciaram que Verzilov não pode assinar nenhuma permissão no estado em que se encontra.

Piotr Verzilov é o fundador do site MediaZona, que informa sobre os julgamentos de ativistas dos direitos humanos. Recentemente trabalhava em um filme com Alexander Rastorguyev, morto em agosto ao lado de outros dois jornalistas na República Centro-Africana. Eles investigavam a presença de mercenários russos no país.