Banco Central do Brasil diz que 2022 deve fechar com inflação de 7,1%

Índice deve cair para 3,4% em 2023, segundo projeções dos economistas

0
712
O BC revelou que parte significativa dessa inflação está relacionada aos preços de combustíveis e de alimentos (Foto: José Cruz/Agência Brasil)
O BC revelou que parte significativa dessa inflação está relacionada aos preços de combustíveis e de alimentos (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

DA REDAÇÃO – O Banco Central (BC) elevou a estimativa de inflação para este ano. A revisão do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 4,7% para 7,1%, ficando acima do centro da meta definida para 2022: 3,5%. A nova estimativa consta do Relatório de Inflação divulgado na quinta-feira (24), em Brasília, pelo BC e aponta que a probabilidade de estouro da meta varia de 88% a 97%.

Conforme a publicação, a instituição trabalha com dois cenários. No primeiro, considerado “de referência”, as projeções de inflação para 2022 ficam em torno de 10,6% nos dois primeiros trimestres do ano, caindo para 7,1% no fim do ano e para 3,4% em 2023. Esse cenário tem a probabilidade de estouro da meta de 97% e prevê que a taxa básica de juros, a Selic, feche o ano em 12,75%, caindo para 8,75% ao ano em 2023. 

Já o segundo cenário, considerado alternativo, prevê que a inflação feche 2022 em 6,3%, caindo para 3,1% em 2023. Esse ambiente considera a hipótese de uma queda no preço internacional do petróleo, diminuindo o impacto do produto na alta dos preços no país. Nesse aspecto, o BC adota a premissa na qual o preço do petróleo segue aproximadamente a curva futura de mercado até o fim de 2022, terminando o ano em US$ 100 o barril e passando a aumentar 2% ao ano a partir de janeiro de 2023. A probabilidade de furar a meta é de 88%. 

Conflito na Europa

Segundo o Banco Central, o ambiente externo, com o conflito entre Rússia e Ucrânia, levou a um aperto significativo das condições financeiras e aumentou a incerteza em torno da economia mundial. Em particular, por conta do choque de oferta decorrente do conflito que “tem o potencial de exacerbar as pressões inflacionárias que já vinham se acumulando tanto em economias emergentes quanto nas avançadas.” 

Com informações da Agência Brasil.