Barragem de rejeitos minerais se rompe e causa destruição em Minas Gerais

Mar de lama invadiu Brumadinho (MG), três anos depois da tragédia da barragem de Mariana, que matou 19 pessoas

0
1981
Barragem se rompe em Brumadinho (MG) — Foto Corpo de Bombeiros Divulgação
Barragem se rompe em Brumadinho (MG) — Foto Corpo de Bombeiros Divulgação

A barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana, rompeu-se no fim da manhã desta sexta-feira (25). A barragem pertence à Mineradora Vale. Prefeituras de cidades próximas ao Rio Paraopeba alertam os moradores que se mantenham longe do curso d’água. As informações são do jornal Estado de Minas.

Segundo as primeiras informações do Corpo de Bombeiros há vítimas e várias viaturas foram enviadas ao local, além de um helicóptero. Ainda segundo informações do Corpo de Bombeiros, a mineradora informou que apenas a área interna foi atingida.

Em nota, a Vale confirmou o rompimento da barragem. Há indicações de que os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco. Os assessores informam que ainda não há confirmação sobre feridos no local. A Vale acionou o Corpo de Bombeiros e ativou o seu Plano de Atendimento a Emergências para Barragens. “A prioridade total da Vale, neste momento, é preservar e proteger a vida de empregados e de integrantes da comunidade”, acrescentam.

Uma jovem moradora de Nova Lima, e 17 anos, informou que o pai dela “escapou de morrer” no rompimento da barragem em Brumadinho. “Agora estamos tranquilos porque meu pai entrou em contato com a minha mãe e disse que está tudo bem”, informou a adolescente. “Ela informou que o pai trabalha há muitos anos na mina como técnico, mas ela não soube dar mais detalhes sobre vítimas.

Por volta de 1:30pm (horário local), a Prefeitura de Brumadinho alertou em redes sociais para a população da cidade manter distância do leito do Rio Paraopeba. Por precaução, o Instituto Inhotim está retirando funcionários e visitantes do local.

Há 3 anos, rompimento de barragem de Mariana causou maior desastre ambiental do país e matou 19 pessoas