Antonio Tozzi Esportes

Boletim da Copa | Não chore por mim Croácia

Messi celebra primeiro gol sobre a Croácia (Foto: Reprodução TV)
Messi celebra primeiro gol sobre a Croácia (Foto: Reprodução TV)

Argentina confirmou seu favoritismo e não tomou conhecimento da seleção da Croácia, batendo os europeus por 3 a 0 (dois gols de Alvarez e um de Messi) no Estádio Lusail, em Doha, por uma das semifinais da Copa do Mundo Catar 2022. Coincidentemente, o mesmo placar pelo qual os croatas bateram os argentinos na Copa do Mundo Rússia 2018, no Estádio Ninki Novorogod  – com gols de Rebic, Modric  e Rakitic, em jogo válido pela fase de grupos.

O duelo entre dois dos melhores camisas 10 desta Copa não decepcionou, mas serviu para mostrar que Lionel Messi ainda está um degrau acima de Luka Modric. O meiocampista do Real Madrid, juntamente com seus colegas Mateo Kovacic e Mario Brozovic, comandou as ações da seleção dos Balcãs até os 30 minutos da primeira etapa. Porém, era um domínio estéril, tipo “arame liso”, que não machuca o adversário. 

Bastou uma jogada mais aguda de Julian Alvarez para alterar definitivamente o panorama da partida. O centro-avante do Manchester City recebeu uma bola livre de marcação e partiu em direção ao gol. O bom arqueiro Livakovic cometeu um pênalti infantil, pois um de seus zagueiros teria evitado que a bola entrasse no gol croata. Além de receber cartão amarelo, não impediu o gol de pênalti de Messi. A partir daí, os croatas se desestabilizaram e logo depois tomaram o segundo gol em um contra-ataque puxado e concluído por Alvarez.

No segundo tempo, o técnico Zlatko Dalic fez duas substituições, mas não conseguiu alterar a configuração da partida. E ainda deu tempo de Messi mostrar ainda mais sua classe ao dar um dribloe desconcertante em Gvuardiol e tocar a bola para Alvarez, se marcação, completar para as redes. Com o placar consolidado, Lionel Scaloni colocou em campo jogadores que ainda não haviam atuado nesta Copa do Mundo, a fim de demonstrar o espírito coletivo que tomopu conta da seleção argentina.

Jogadores da Argentina celebram gol (Foto: Reprodução TV)
Jogadores da Argentina celebram gol (Foto: Reprodução TV)

A Argentina garantiu presença em uma final de Copa do Mundo pela sexta vez. Foi campeã em 1978 (contra a Holanda) e 1986 (contra a Alemanha). Perdeu a decisão em 1930 (para o Uruguai), 1990 (para a Alemanha) e 2014 (para a Alemanha, com Messi em campo).

Os sul-americanos agora esperam o adversário da final de domingo, às 10:00 am (horário de Miami), no estádio Lusail. O adversário será o vencedor da outra semifinal: França x Marrocos, às 2:00 pm desta quarta-feira (horário de Miami). A Croácia disputará o terceiro lugar com o derrotado desta partida.

A final desejada

Argentina x França podem fazer uma final inédita em Copas do Mundo e, mais do que isto, reunir dois dos maiores craques da atualidade. O argentino Messi, que está no ocaso de sua brilhante carreira, e gostaria de se despedir da Albiceleste com o título de campeão do mundo, e Kylian Mbappé, o jovem craque francês que surge como a estrela ascedente, para substituir a idolatria reservada aos fenomenais Messi, Cristiano Ronaldo – que encerrou sua carreira na seleção portuguesa hoje -, e Neymar. O brasileiro, aliás, é o único dos três que tem possibilidade de disputar a Copa do Mundo de 2026. Já Mbappé, por ter apenas 24 anos, ainda tem muitas copas para jogar. 

Além do duelo entre os dois astros, a vitória significaria o tricampeonato para a Argentina, que venceu as Copas do Mundo de 1978 e 1986, ou para a França, ganhadora das edições de 1998 e 2018. Ou seja, seria (será?) uma partida para entrar na história!

A final inusitada

Argentina x Marrocos seriam protagonistas de uma final sem a presença de uma equipe europeia, reunindo pela primeira vez na história das Copas do Mundo uma seleção sul-americana e outra africana. Messi e Ziyech são os principais jogadores de cada seleção, mas ambos contam com bons coadjuvantes, como Hakimi, Boufal e Bono do lado marroquino, e Di Maria, Julian Alvarez e Dibú Martinez, do lado argentino. Aliás, os goleiros Bono e Martinez estão sendo destaques em seus times.

Um componente adicional daria um molho para essa final. Segundo os correspondentes que estão no Catar, as torcidas dessas duas seleções são as mais entuisasmadas nas arquibancadas. A idolatria dedicada a Messi catalisou muitos torcedores de outros países, enquanto Marrocos simboliza a epítome da cultura árabe em um cenário predominantemente eurocentrista e sul-americano.

O confronto das semifinal é o seguinte:

Dia Horário Jogo Local

Quarta-feira (14)  2:00 pm (horário de Miami) França x Marrocos Estádio Al Bayt

Disputa do 3º lugar:

Dia Horário Jogo Local

Sábado (17)   10:00 am (horário de Miami) Croácia x ? Estádio Al Lusail

Finalíssima:

Dia Horário Jogos Local

Domingo (18)   10:00 am (horário de Miami) Argentina x ? Estádio Al Lusail

Baixe nosso aplicativo