Brasileiro é condenado à prisão perpétua pela morte de tio e primos na Espanha

Patrick Nogueira assassinou e esquartejou os parentes em um chalé na cidade de Pioz em 2016. Sentença pode ser revisada a cada 25 anos

0
1664
Patrick foi condenado à prisão perpétua na Espanha
Patrick foi condenado à prisão perpétua na Espanha

A Justiça espanhola condenou à prisão perpétua o brasileiro François Patrick Nogueira Gouveia, que admitiu ter matado dois tios e dois primos em 2016 na cidade de Pioz. A sentença foi lida na quinta-feira (15), pela juíza Maria Elena Mayor Rodrigo, do tribunal de Guadalajara. As informações são do G1.

Patrick está detido desde 2016, quando se entregou às autoridades e confessou ter assassinado e esquartejado os tios Janaína Américo, de 40 anos; Marcos Campos Nogueira, de 39 anos; e os filhos do casal, de 1 e 4 anos de idade. No início de novembro, ele foi considerado culpado por um júri popular, mas a pena ainda não havia sido estabelecida.

A prisão perpétua é a punição mais grave existente na Espanha, e pode ser revista a cada 25 anos. Patrick foi condenado à pena três vezes: pelas mortes dos primos e de Marcos. Pelo assassinato de Janaína, a punição é de 25 de anos prisão, segundo o jornal espanhol “El Mundo”.

O julgamento ocorreu entre 24 e 31 de outubro. Mais de 65 pessoas prestaram depoimento no júri, entre eles familiares do assassino e das vítimas, policiais que trabalharam na investigação do crime e médicos e psicólogos forenses.

O júri declarou que Patrick Nogueira matou os tios e primos com intencionalidade, sem considerar qualquer defesa.

Tanto o Ministério Público espanhol como a acusação particular tinham pedido a prisão perpétua revisável. A defesa de Patrick Nogueira, por sua vez, pediu a reclusão do réu por 25 anos alegando danos cerebrais que o colocavam em condição de doente.

Em outubro, ao depor no julgamento, o réu afirmou: “Eu sabia que queria fazer, mas não como ia acontecer”. Patrick começou seu depoimento explicando que só iria responder às perguntas de sua advogada, Bárbara Royo, e afirmou que gostaria de ter evitado o crime.

“A promotora responsável pelo caso, Rocio Rojo, pediu a pena máxima. Para ela, independentemente dos motivos, ficou provado que Patrick não cometeu o crime impulsivamente. “Patrick é uma pessoa com um tremendo mal e deve ser punido com prisão permanente. Não tenham medo, pois a prisão permanente é revisável”, disse, segundo a rede de televisão Antena 3.