Brasileiro é o mais jovem do mundo a ser aprovado em mestrado em Harvard

Mateus de Lima Costa Ribeiro, de 19 anos, embarca em breve para os EUA para dar início ao curso

0
5090
Mateus Ribeiro embarca em breve para os EUA para estudar em Harvard (Foto Reprodução TV Globo)
Mateus Ribeiro embarca em breve para os EUA para estudar em Harvard (Foto Reprodução TV Globo)

De família de advogados, o brasileiro Mateus de Lima Costa Ribeiro, 19 anos, sempre foi considerado um menino prodígio. O estudante brasiliense passou no vestibular do curso de Direito da Universidade de Brasília quando ainda nem tinha iniciado o Ensino Médio, aos 14 anos. Aos 18, conseguiu o título da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e tornou-se o advogado mais jovem do País. Agora, o novo desafio do jovem é um mestrado em Harvard, Massachusetts, sendo o mais jovem do mundo a conseguir o feito.

“Não fiquei surpreso. As pessoas normalmente iniciam a faculdade quando estão mais velhas e eu já tinha concluído essa fase de estudos”. Ele conta que os amigos até fazem piada sobre o fato. “Hoje até me mandaram uma mensagem dizendo: você é bom nessa coisa de ser o mais novo, né?”, disse à reportagem em sua casa, no Lago Sul, bairro nobre de Brasília.

O início do processo para a aprovação em Harvard não foi tranquilo. Mateus não passou no teste inglês, a primeira etapa para a admissão. Teve, então, 15 dias para se preparar para uma nova prova do idioma antes que o prazo de inscrição acabasse. “Esse foi um momento decisivo porque tomei um baque muito grande. Tinha certeza que ia passar e não consegui. Mas quando você tem autoconfiança, você não permite que uma reprovação te defina”, disse.

Para Mateus, este exemplo mostra que ele não “é um gênio como gostam de dizer” e que uma conquista como esta é possível para outros. “Inteligência é um dos fatores. Existem outros como capacidade de superação, saber estudar do jeito certo, saber como fazer uma prova, esse tipo de coisa”, afirmou.

Os pais e os irmãos de Mateus são todos advogados. Um dos tios é desembargador. A escolha pela carreira acabou sendo um caminho natural, afirmou. Quando era criança, ele e os irmãos discutiam como se estivessem em um tribunal. “Por participar das discussões, por ouvir meus pais falando sobre isso, naturalmente fui direcionado para essa área. E meu pai gostava de me levar para o tribunal, me explicar os julgamentos, então isso sempre fez parte da minha vida, mas me apaixonei pelo Direito um pouco por conta própria também”, contou. (Com informações do Estadão Conteúdo)