Brasileiro é preso pelo ICE durante entrevista para obtenção do green card

Caso aconteceu em Massachusetts; Fabiano é casado e tem filho com a americana que estava com ele na hora da entrevista

0
11563
Karah de Oliveira mostra uma foto de seu marido e o filho dos dois FOTO Christopher Evans, Boston Herald
Karah de Oliveira mostra uma foto de seu marido e o filho dos dois FOTO Christopher Evans, Boston Herald

O pintor brasileiro Fabiano de Oliveira foi preso durante uma entrevista para obtenção do green card no U.S. Citizenship and Immigration Services em Lawrence (MA), quando agentes de imigração o levaram. De acordo com o jornal Boston Herald, Fabiano estava acompanhado da esposa Karah de Oliveira, de 28 anos, com quem tem um filho de cinco anos.

Fabiano entrou nos EUA ilegalmente em 2005. De acordo com seu advogado, Jeffrey B. Rubin a ação foi arbitrária. “Isso costumava acontecer nos anos 2000. Estou no ramo há muitos anos e não via isso acontecer há muito tempo”, disse o advogado.

Durante o mandato de Obama, as autoridades de imigração simplificaram o processo para obtenção do green card para pessoas que entraram pela fronteira, permitindo que certos imigrantes indocumentados se candidatassem nos Estados Unidos antes de retornar aos países de origem para obter a documentação necessária.

A mudança significou manter as famílias juntas nos EUA e acelerar um processo que, no passado, poderia levar vários anos, de acordo com especialistas.

Segundo a advogada Renata Castro, a Imigração não quer mais que as pessoas esperem pelo perdão nos EUA, querem que elas retornem para o País de origem e só depois voltem para os EUA. “Ele só poderia conseguir o perdão depois da entrevista, e é esse o problema. Temos que levar o cliente para a entrevista e, se ele for preso, só depois podemos entrar com o perdão. Daí a ordem de deportação é executada e ele pode receber o perdão”, disse a advogada ao AcheiUSA, ressaltando que teria que ter informações mais precisas sobre o caso para dar um parecer.

A esposa de Fabiano disse estar muito abalada. “Eu chorei durante cinco dias. Mas não posso fazer isso na frente do meu filho porque não quero que ele perceba que algo está errado”, disse ela. “Meu marido está na prisão. Lá não é o lugar dele. Meu filho está sem pai”.