Brasileiro é preso pelo ICE em casa em Pompano Beach

Agentes disseram que já estavam acompanhando a rotina do mineiro há dias; família pede ajuda para pagar despesas com advogado

0
13904
Wesio Anjos foi preso pela imigração em casa em Pompano Beach
Wesio Anjos foi preso pela imigração em casa em Pompano Beach

O brasileiro Wesio Anjos, de 35 anos, estava em casa com os dois filhos na semana passada, quando agentes do U.S. Immigration and Customs Enforcement (ICE) bateram na porta por volta das 8 da manhã, em Pompano Beach (FL) e disseram que o levariam preso. Wesio, que trabalha como pintor, estava com as crianças, enquanto a esposa estava fora trabalhando. Os agentes disseram que esperariam alguém chegar para pegar as crianças, caso contrário, elas seriam encaminhadas a um abrigo.

De acordo com a amiga da família, Geralda Oliveira, Wesio ligou para a esposa que, desesperada, foi para casa com uma amiga que tem documentos e os agentes, então, o levaram preso. Segundo Geralda em entrevista ao AcheiUSA, alguns dias antes, Wesio havia passado por um acidente na I-95, foi parado e, como não tem documentos para viver legalmente no País, foi levado para delegacia. No local, ele pagou uma multa de $275 e foi liberado.

“O que não sabíamos é que a polícia reportaria o caso para o ICE. Os agentes passaram a vigiar a rotina de Wesio e da família, eles disseram isso no momento da prisão. Quem o conhece sabe que ele é um homem honesto e trabalhador”, disse Geralda. Wesio, porém, tem uma ordem de deportação em aberto, situação recorrente em casos de prisão de imigrantes indocumentados. “Ele não compareceu a uma Corte de Imigração há mais de dez anos e esse foi o motivo da prisão”, completou Geralda.

Wesio está detido no Broward Transitional Center – BTC – em Pompano Beach. O advogado espera conseguir converter a deportação em pagamento de fiança e para que ele responda o processo em liberdade.

Alerta

Geralda afirma que a prisão de Wesio serve de alerta para a comunidade brasileira que vive sem documentos. “Quando falamos que a Imigração está prendendo, as pessoas falam que estamos fazendo terrorismo, que isso só acontece no Norte, que por aqui está tranquilo. Isso não é verdade”, afirma a mineira, que tem um grupo no Facebook voltado para atividades da comunidade que conta com mais de 16 mil seguidores, o “Amigas e Companheiras Brasileiras na Flórida”.

Ela criou uma página no GoFundMe para arrecadar dinheiro para a família de Wesio, já que as despesas são muito altas. “Peço que quem puder ajude com qualquer quantia, ajude com orações. Temos fé que ele vai conseguir sair dessa situação”.

Prisões na Flórida

Entre os dias 18 e 22 de março, o ICE prendeu 271 pessoas na Flórida (maior parte), Porto Rico e Ilhas Virgens, áreas que pertencem à jurisdição de Miami.

Do total de presos, 99 tinham passagem pela polícia, que incluem: assassinato, tentativa de assassinato, roubo, estupro, negligência infantil, violência doméstica, tráfico de drogas. Outros tinham passagem por dirigir embriagado, fraude, entrar ilegalmente nos EUA e reentrada nos EUA depois de deportado.