Brasileiro se declara culpado por crimes de fraude com cartões de crédito

Alexandre Kawamura, de 43 anos, admitiu que usou equipamentos em caixas eletrônicos de Massachusetts para clonar cartões; ele poderá ser deportado

0
2696
Alexandre admitiu que instalou equipamentos para clonagem de cartões em ATMs
Alexandre admitiu que instalou equipamentos para clonagem de cartões em ATMs

Na segunda-feira (11), o brasileiro Alexandre Kawamura, de 43 anos, assumiu no tribunal de Massachusetts a culpa de ter instalado dispositivos em caixas eletrônicos (ATM) em diversas cidades ao norte de Boston (MA).

De acordo com o Departamento de Justiça, o brasileiro enfrenta duas acusações por utilizar um equipamento leitor das tarjas magnéticas de cartões, quatro acusações por usar um aparelho de clonagem de cartões e duas acusações de roubo de identidade. O juiz da Corte Distrital dos EUA, Leo T. Sorokin, agendou a leitura da sentença para 17 de abril desse ano. Alexandre, que entrou nos EUA com visto de turista, poderá ser deportado depois de ter cumprido a sentença.

Kawamura instalou os aparelhos de clonagem e câmeras portáteis em caixas eletrônicos nas filiais do Eastern Bank nas cidades de Saugus, Stoneham, Medford e Everett todos os dias entre 25 de fevereiro e 16 de março de 2018, quando foi preso. O propósito do esquema era gravar as informações bancárias contidas na tarja magnética dos cartões de clientes do banco e a câmera gravar o momento em que eles digitavam as senhas.

Em 8 de março de 2018, Alexandre portava um cartão clonado que tinha as informações de uma mulher moradora em Milton. Num caixa eletrônico em Malden, o brasileiro utilizou o cartão clonado e a senha para sacar $500 da conta da vítima. Em 16 de março de 2018, o brasileiro utilizou um cartão clonado para comprar mercadorias numa loja de esportes em Medford. O nome no cartão era falso e a tarja magnética continha os dados, roubados no dia anterior, da conta bancária de um homem residente na mesma cidade.

Kawamura foi preso em 16 de março, depois que o funcionário do banco contatou a polícia e denunciou ter encontrado os aparatos de gravação num ATM em Stoneham.

A acusação por clonagem de cartões pode resultar em pena de até 10 anos de detenção, três anos de liberdade condicional e multa de até $250 mil.