Brasileiro vem passear New York, passa mal e é operado de emergência

0
1191

Após juntar as economias durante um ano para passar o Réveillon 2016 em New York, o casal Sérgio Umberto e Jaqueline Ingegneri e os dois filhos realizaram o tão esperado sonho. Entretanto, o sonho começou a virar pesadelo depois que Sérgio queixou-se com a esposa de fortes dores abdominais, ainda durante o passeio. Na chegada ao hotel, em Manhattan (NY), as dores persistiram e ele foi para o hospital.

Após ser submetido a exames de sangue, urina e raios X, uma tomografia computadorizada revelou que Sérgio sofria de obstrução intestinal e, portanto, precisava ser operado urgentemente. Durante a cirurgia, os médicos constataram que o intestino do brasileiro havia se rompido e o conteúdo espalhado pelo abdômen, sendo necessária uma lavagem intestinal e a extração de parte dos intestinos grosso e delgado, detalhou a esposa de Sérgio.

Quando Jaqueline enviou o laudo médico do esposo à seguradora de saúde de viagem e ligou, ela foi informada que o seguro não cobriria o atendimento de Sérgio no hospital porque já havia ultrapassado a quantia de $100 mil.

“Eles (seguradora) simplesmente nos abandonaram”, disse a brasileira. “Eles aconselharam que nós fizéssemos um seguro de saúde paralelo”.

Ela acrescentou que a seguradora queria repatriar Sérgio ao Brasil a todo custo, embora o estado de saúde delicado do seu marido não permite que ele embarque em um voo convencional.

Jaqueline detalhou que o médico responsável por seu marido lhe deu alta do hospital quando ele ainda tinha o seguro de saúde, mas determinou no laudo que o paciente fosse atendido por uma enfermeira enquanto estivesse em período de observação no hotel. Nesse período, Sérgio foi infectado por duas bactérias, que foram combatidas graças a antibióticos poderosos.

Em 1 de janeiro, ela conseguiu enviar os filhos de volta a São Paulo em um voo da Delta Airlines, após pagar $150 por um acompanhante. Os jovens chegaram ao Aeroporto Internacional de Guarulhos no dia seguinte (2) e desde então estão sob os cuidados de familiares do casal.

Na tentativa de conseguir ajuda, ela disse que inicialmente contatou o Consulado Geral do Brasil em New York. “O Consulado foi muito objetivo: a atendente me disse para ligar em caso de óbito e mais nada. Você perdeu os documentos? Você foi presa? Alguém morreu? Somente em casos de óbito; somente indicamos a companhia aérea para levar o corpo. Realmente, eu estou falando com o Consulado do Brasil”, relatou a brasileira ao Brazilian Voice.

Sérgio vai ser examinado novamente pelo médico que o acompanhava no hospital. Durante o exame, o médico determinaria se o brasileiro teria a cirurgia fechada, a manteria aberta e quantos dias mais ele deveria ficar sob observação.