Brasileiros são condenados a quatro anos de prisão por fraude em cartões de crédito

De acordo com documentos do tribunal, os dois atravessaram os EUA aplicando golpes

0
15934
José Pinto de Oliveira e Glênnio são acusados de falsificar cartões de crédito
José Pinto de Oliveira e Glênnio são acusados de falsificar cartões de crédito

DA REDAÇÃO, COM THE ASPEN TIMES – Os brasileiros José Pinto de Oliveira Filho, de 50 anos, e Glênnio Gomes de Andrade, de 28 anos, foram condenados a quatro anos de prisão por fraude em cartões de crédito e roubo de identidade. Os dois se declararam culpados em uma audiência realizada em Eagle, no Colorado.

De acordo com a acusação, ambos desembarcaram no ano passado em Miami e e cruzaram o país comprando aparelhos eletrônicos usando cartões de crédito clonados.  A maior parte dos produtos adquiridos era câmeras GoPro em pequenas lojas locai. Eles usavam os cartões falsos para comprar as mercadorias, alugar carros e bilhetes aéreos. Os dois passaram por Indiana e Michigan, Idaho e depois Colorado. Depois de circularem pela área metropolitana de Denver, os brasileiros seguiram para o Vail Valley em outubro de 2016. Eles pararam em Vail para comprar mais produtos e seguiram na direção oeste.

Os brasileiros chegaram até Avon (CO), quando a polícia prendeu a dupla do lado de fora de uma loja de artigos esportivos. Eles haviam estacionado o carro alugado e seguiam para a loja quando foram detidos. Além do maço de cartões de crédito falsificados e documentos de identificação falsos, os investigadores descobriram que o carro estava lotado de roupas e eletrônicos, todos comprados com esses cartões. O veículo também tinha sido alugado com um dos cartões falsos.

Entre a mercadoria apreendida estavam 11 câmeras GoPro, fones de ouvido Bose e Beats, vários aparelhos de TV Apple e inúmeros aparelhos GPS.

Outros brasileiros

As autoridades federais em Las Vegas acusaram 18 outros brasileiros pelo mesmo tipo de crime, informou o Promotor Público Distrital Interino Joe Kirwan. “Esses dois não estão incluídos nos outros casos, mas possuem conhecidos”, disse Kirwan.

A Promotora Distrital Interina Courtney Gilbert detalhou que Glênnio e José fazem parte de uma quadrilha maior. “Isso é parte de um cenário maior. Eles parecem ter recursos financeiros significativos”, comentou. Eles também compraram em lojas na região de Aspen e Front Range, acrescentou ela.

Eles terão outra audiência em agosto de 2017 para reconsiderar as sentenças. José já serviu 191 dias na prisão e ressarciu todo o dinheiro e retornou todas as mercadorias às lojas.