Casa Branca se reúne com Apple, Amazon e IBM para discutir segurança de software

Software de código aberto chamado Log4j tem aterrorizado autoridades governamentais americanas

0
382
Governo americano pede ajuda a empresas de informática para evitar ataques de hackers aos órgãos governamentais (Foto: logz.io)
Governo americano pede ajuda a empresas de informática para evitar ataques de hackers aos órgãos governamentais (Foto: logz.io)

A Casa Branca se reuniu com executivos das principais empresas de tecnologia, incluindo Google, Apple e Amazon.com, nesta quinta-feira (13) para discutir segurança de software após os Estados Unidos terem sofrido vários ataques cibernéticos no ano passado.

Em dezembro, o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, enviou carta a presidentes-executivos de empresas de tecnologia após a descoberta de uma vulnerabilidade em um software de código aberto chamado Log4j, que organizações de todo o mundo usam para registrar dados em seus aplicativos.

Na carta, Sullivan observou que esse software de código aberto é amplamente usado e mantido por voluntários e é uma “preocupação-chave de segurança nacional”.

A reunião, organizada pela vice-conselheira de segurança nacional para tecnologia cibernética e emergente, Anne Neuberger, discutiu preocupações sobre segurança do software de código aberto e como ele pode ser melhorado.

Outras grandes empresas de tecnologia presentes na reunião incluíram IBM, Microsoft, Meta e Oracle. Órgãos governamentais, como o Departamento de Segurança Interna, o Departamento de Defesa e o Departamento de Comércio, também estiveram presentes.

A segurança cibernética tem sido uma das principais prioridades do governo Biden após vários grandes ataques cibernéticos exporem a hackers milhares de registros mantidos por empresas e órgãos governamentais.

Um ataque, que o governo disse ter sido provavelmente orquestrado pela Rússia, violou o software feito pela SolarWinds e deu aos hackers acesso a milhares de empresas e escritórios do governo que usaram seus produtos. Os hackers tiveram acesso a e-mails nos departamentos do Tesouro, Justiça e Comércio entre outros.