De Juazeiro do Norte para Harvard: ex-catador de latinhas realiza sonho de estudar nos EUA

Ciswal foi responsável por criar um projeto que fornece energia elétrica, água e internet, por um baixo preço, para famílias do Semiárido nordestino

0
2300
Projeto de Ciswal ganhou o mundo e será aperfeiçoado em Harvard
Projeto de Ciswal ganhou o mundo e será aperfeiçoado em Harvard

O professor Ciswal Santos, de 31 anos, embarcou de Juazeiro do Norte, Ceará, na manhã de segunda-feira (1), rumo a Cambridge, Massachusetts, onde vai estudar na Universidade de Harvard – uma das mais conceituadas no mundo. Ex-catador de latinhas, em setembro do ano passado ele teve projeto aprovado pela instituição. As informações são do Diário do Nordeste.

Ciswal foi responsável por criar um projeto que fornece energia elétrica, água e internet, de maneira sustentável e por um baixo preço, para famílias do Semiárido nordestino. Hoje, o equipamento custa, aproximadamente, R$ 2 mil, mas a expectativa é diminuir para R$ 960.

De acordo com o projeto de Ciswal, placas solares serão responsáveis pela energia elétrica e ajudará na captação de água através de um poço artesiano. Já a internet, seria disponibilizada por satélite. O professor ficará dez dias nos Estados Unidos apresentando seu trabalho para os pesquisadores de lá. A visita deve acontecer a cada seis meses nos próximos três anos. No entanto, desde novembro de 2018, ele já assiste aulas através de videoconferência.

O caminho para para chegar a Havard, Ciswal não foi fácil.  Quando entrou na faculdade, com apenas 15 anos e meio, teve que buscar no lixo a solução para seu sonho de continuar estudando. Foi aí que Ciswal resolveu catar latinhas de para reciclagem. O quilo do material custava R$ 2. Em uma semana, o professor conseguia três quilos e meio. “Era com isso que pagava xerox, apostila, conseguia pegar um livro e imprimir”, confessa. Ele concluiu Ciências da Computação e também é graduado em Física.

Em dezembro de 2018, Ciswal foi convidado para ser embaixador de Direitos Humanos da Noble Order for Human Excellence (NOHE), organização presente em 17 países, ligada a Organização das Nações Unidas (ONU). “É um trabalho voluntário, mas que vai ser algo que vai trazer melhorias. Podemos fazer denuncias, trazer projetos de empresas internacionais. É muito trabalho a se fazer”, descreve.

“Estou um pouco apreensivo, pois sei as dificuldades que terei. Tenho amigos lá e estou confiante nisso, nesse apoio. Sozinho, ninguém chega a lugar nenhum. Quanto ao projeto, rezo a Deus que se popularize, não que se comercialize. Atinja as pessoas que mais precisam”, contou antes do embarque.