Deixar criança em creche na Flórida sai mais caro que pagar a faculdade

Apesar do custo alto, pais que investem cerca de $200 por semana afirmam que vale a pena 

0
15699
Andrew, Gizele, Patrick e Kevin Lehman
Andrew, Gizele, Patrick e Kevin Lehman

DA REDAÇÃO – A legislação trabalhista americana não dá entre quatro e seis meses de licença maternidade para as mães como no Brasil. O tempo de afastamento remunerado depende da empresa e, em alguns casos, nem existe ou é de apenas 40 dias. Por isso, os pais vivem um dilema quando precisam deixar os bebês para irem trabalhar e a creche (day care) é uma opção. Entretanto, o investimento é alto.

Reportagem do jornal “Wall Street Journal, veiculada na última semana, mostra que o custo da vida na Flórida faz com que deixar uma criança no day care saia mais caro do que pagar a mensalidade de universidade no Estado. Na Flórida, mostra o levantamento da reportagem, deixar uma criança de 4 anos de idade em uma creche durante um ano custa 73% mais caro do que pagar uma faculdade para um jovem de 18 anos. O Estado, em âmbito nacional, é o que apresenta a maior disparidade entre as duas despesas. Segundo o WSJ, a despesa média de uma criança em creche na FL sai, ao ano, por $7,7 mil – já a faculdade, bem menos do que isso, visto que as mensalidades cobradas por universidades públicas no Estado estão entre as menores do país.

A brasileira Erika Roma deixa o filho Lucas, de sete meses, num day care em Boca Raton e não se arrepende. Erika também mora em Boca Raton e trabalha em Miami, por isso, teve que deixar o filho na instituição. Ela investe $800 por mês e mais de $9 mil por ano e afirma que foi a melhor coisa que fez. “Claro que penso no orçamento, afinal não é barato. Poderia deixá-lo numa babysitter que é mais em conta, porém acredito que não ofereça um ambiente seguro e com profissionais capacitados para o desenvolvimento do bebê. No início, achava que o bebê iria só comer/beber/dormir e trocar fraldas, mas vai muito além disso”, disse a jornalista.

A jornalista Erika Roma e o filho Lucas
A jornalista Erika Roma e o filho Lucas

Erika afirma que a estrutura do local permite que seu filho, que fica de 7:30 às 5:30 no local, aprenda muito por meio de brinquedos, músicas, interação com outras crianças, entre outras atividades pedagógicas. “Com 4 meses o Lucas já fazia atividades com os pés e mãos, o que desenvolve a parte motora. Quando penso por esse lado, vale muito a pena, desde que seja um ambiente confiável e com profissionais capacitados”, afirma.

A brasileira Gizele dos Santos paga $175 por semana para deixar o filho Kevin, de um ano e meio. Ela dá um conselho às mães que precisam deixar os bebês muito pequenos para irem trabalhar. “O melhor é deixar as crianças de até seis meses com uma babysitter e colocar no day care depois desse período”. Gizele afirma que se sente mais segura com o filho na creche, já que além de aprender mais, ela consegue monitorar tudo pelo celular pelas câmeras e todas as atividades do filho são escritas em um caderno. “Não tenho do que reclamar, ele passa o dia inteiro lá e sei que está sendo muito bem cuidado”.

Dilema

A educadora Pamela Ribeiro deixou o trabalho para cuidar da filha Valentina de três meses, mas já está buscando locais para deixar a filha. Ela afirma que, por enquanto, o marido está pagando todas as contas, mas que ela quer voltar logo para o mercado de trabalho. “Preciso encontrar um day care para a minha filha porque infelizmente não temos licença maternidade nos EUA e eu necessito voltar ao trabalho. O problema é que as creches são muito caras. A mais barata, mas levando em consideração a qualidade, estava em torno de 650 dólares. Meu marido e eu planejamos ter mais um filho, mas se isso acontecer, terei de abandonar minha carreira por um tempo e ficar em casa com eles. Não valeria a pena trabalhar, passar o dia inteiro longe e pagar uma boa parte do meu salário para um estranho cuidar dos meus filhos, não faz sentido”, disse.