Desconfiada, população de Governador Valadares rejeita água captada no Rio Doce

Moradores temem que água esteja contaminada, após lama invadir o rio

0
1601

DA REDAÇÃO – “Para arrumar a casa ou lavar a roupa, tudo bem. Mas, para beber, eu não confio nessa água, não”. A declaração da microempresária Monique Silva, 27, serve como síntese do receio dos moradores de Governador Valadares (MG) com relação à captação de água do rio Roce, que começou a ser retomada gradualmente no último domingo (15), após uma semana de interrupção. O cheiro acentuado de cloro e a cor amarelada do líquido, em alguns locais, são apontados como os principais fatores para a repulsa à água recém-tratada. A reportagem é de Gustavo Maia do Portal Uol.

Maior e mais importante manancial da região, o rio foi tomado por uma onda de lama de rejeitos de minério após o rompimento de duas barragens da mineradora Samarco, em Mariana (MG), há 15 dias. Inicialmente, a Prefeitura de Governador Valadares, que decretou estado de calamidade pública, estimou em 30 dias o período de desabastecimento hídrico. A previsão foi revista, no entanto, após a adoção de um tratamento com um tipo de reagente providenciado pela Samarco.

A chegada de água às torneiras de quase 70% das casas da cidade, até a noite de terça-feira (17), não foi o suficiente para convencer a população de que o líquido é potável, conforme afirma a prefeitura. “Eu não conheço ninguém que esteja tomando essa água. Eu morro de medo. Não bebo, não dou para a minha filha e nem para os clientes”, diz Lucélia Silva Mesquita, 26, dona de um restaurante no centro do município, o mais populoso afetado pelos rejeitos, com cerca de 265 mil habitantes.

“A gente ficou uma semana, mais ou menos, sem água nenhuma. O povo buscou o máximo que pôde água de mina, de poços artesianos, de galão, em caixas d’água. Foi muita correria. No primeiro momento falaram que não ia ter mais água nem tão cedo e depois dizem que dá para tratar. É complicado confiar em uma água dessa para beber”, comenta Monique Silva, que é proprietária de um armazém no bairro Cidade Jardim e viu seu estoque de galões d’água acabar.

O resultado da apreensão é visto em diversas esquinas da cidade. Caminhões-pipa trafegam carregados de água pelas ruas enquanto moradores de todas as idades carregam garrafas e galões. No fim da tarde desta terça, Fagner Alves, 34, que está desempregado, voltava de bicicleta para casa, no bairro Cidade Jardim, carregando quase 20 litros de água. Em um saco, levou seis garrafas de 2 litros cada uma. No guidão, pendurou um garrafão de cinco litros. Conseguiu a água no poço artesanal de uma fazenda nas redondezas da sua casa. ?