Desesperados, moradores de Aleppo na Síria não conseguem fugir

Na última terça (13), chegou a ser anunciado um cessar-fogo para permitir a retirada de civis da cidade, mas a trégua foi violada no dia seguinte, bloqueando a evacuação

0
1945
Situação em Alepo é dramática (Foto: Reuters)
Situação em Alepo é dramática (Foto: Reuters)

Um comboio que estava retirando civis da parte leste de Aleppo, no norte da Síria, foi atacado na quinta-feira (15) por milícias governistas. Segundo uma fonte citada pela emissora Al Jazeera, a operação deixou uma pessoa morta e quatro feridas. As informações são da agência de notícias Ansa.

Na última terça (13), chegou a ser anunciado um cessar-fogo para permitir a retirada de civis da cidade, mas a trégua foi violada no dia seguinte, bloqueando a evacuação. Vários ônibus que já estavam prontos para entrar em Aleppo ficaram do lado de fora do município, esperando autorização para o resgate.

Os disparos indicam que a evacuação na cidade, uma das maiores da Síria, ainda não começou. Segundo a agência estatal turca Anadolu, outro comboio foi forçado a voltar atrás após disparos de milícias iranianas que lutam ao lado do regime de Bashar al Assad. Ainda de acordo com a Anadolu, o ataque teria deixado quatro mortos. O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, é adversário de Assad no tabuleiro da Guerra da Síria.

Um vídeo da AJ+, um novo canal de notícias digitais da emissora Al Jazeera, mostra o desespero dos moradores de Aleppo. No Twitter, eles alegam que os soldados estão matando civis. O vídeo mostra corpos de civis espalhados pelas ruas após bombardeio do governo.

A síria Bana Alabed, que mora na área leste de Aleppo, postou no Twitter sobre os intensos ataques do governo contra as áreas controladas pelos rebeldes. “Querido mundo, há um bombardeio intenso agora. Por que vocês estão em silêncio? Por quê? Por quê? Por quê?”, escreveu ela na quarta-feira.

Ainda assim, um oficial do Exército de Damasco comunicou que a retirada de civis pode começar “a qualquer momento”. Tomada por rebeldes em 2012, Aleppo é alvo de uma operação de reconquista por parte do governo Assad, que é apoiado pela Rússia, pelo Irã e pelo grupo xiita Hezbollah.

Para isso, serão disponibilizados 20 ônibus e 10 ambulâncias, que seguirão por um corredor humanitário até Idlib. A expectativa de Moscou é que a situação em Aleppo esteja resolvida até o fim desta semana. A retomada da cidade é um importante ponto de virada na Guerra da Síria, já que o regime de Assad voltará a ter em suas mãos os principais municípios do país.

No entanto, muitas áreas continuam dominadas por rebeldes ou pelo grupo terrorista Estado Islâmico.