DHS quer checar mídias sociais de quem der entrada em benefícios imigratórios

Solicitantes de naturalização, asilo, mudança de status, entre outros, poderão ter que apresentar informações de redes sociais como Facebook, Twitter e Instagram

0
1480
Facebook é condenado a pagar multa milionária (Foto Flicker www.thoughcatalog.com)
DHS está de olho em redes sociais de imigrantes (Foto Flicker www.thoughcatalog.com)

Imigrantes que pretendem dar entrada em certos benefícios imigratórios como – cidadania, asilo e mudança de status por meio de casamento com cidadão americano – podem ter que apresentar informações sobre suas mídias sociais. As informações foram publicadas pelo Departamento de Homeland Security (DHS) em formato de proposta a ser avaliada por outros órgãos do governo e pelo público em geral. Leia a proposta aqui.

O objetivo, segundo o DHS, seria “proteger a nação de terroristas estrangeiros e prevenir que eles entrem nos Estados unidos”.  “Para o DHS, esses dados serão acrescentados aos pedidos de determinados benefícios migratórios ou formulários de viagem onde tais informações não eram anteriormente coletadas”, acrescentou.

Atribuindo a mudança à Ordem Executiva 13780 do Presidente Donald Trump, que visa aumentar a segurança dos EUA ao aumentar a rigorosidade na vistoria dos dados de estrangeiros que queiram entrar no país, o DHS informou que aceitará comentários do público em geral até 4 de novembro. Caso seja aprovada, o DHS acrescentará perguntas sobre atividades nas redes sociais em muitos relatórios utilizados pelo Departamento de Cidadania & Serviços Migratórios (USCIS) e o Departamento de Alfândega & Proteção das Fronteiras (CBP).

As mudanças propostas são similares ao plano do Departamento de Estado de perguntar aos estrangeiros que aplicarem para vistos de visitante sobre as contas utilizadas nas redes sociais nos últimos cinco anos, numa tentativa de endurecer o processo de vistoria.

As 19 redes sociais que geram interesse ao USCIS e CBP incluem o Facebook, Twitter, Instagram, Flickr, LinkedIn, YouTube, Reddit, Tumbler e Pinterest.

“As plataformas selecionadas representam aquelas que estão entre as mais populares na base global”, frisou o comunicado do DHS.

As autoridades do DHS já utilizam algumas informações públicas disponíveis nas redes sociais para determinar a “elegibilidade” dos solicitantes para um benefício migratório, mas até agora o órgão não perguntado diretamente sobre informações relacionadas as redes sociais nos processos de aplicação. (Com informações do Miami Herald).