Divulgação de imagens do massacre de Uvalde, Texas, revolta parentes das vítimas

Imagens mostram policiais esperando no corredor da escola enquanto ouviam os tiros; 21 pessoas morreram no tiroteio ocorrido em maio

0
998
As imagens obtidas pelo jornal mostram que os policiais esperaram 77 minutos para agir (Foto: Reprodução – Câmeras de Segurança)
As imagens obtidas pelo jornal mostram que os policiais esperaram 77 minutos para agir (Foto: Reprodução – Câmeras de Segurança)

A divulgação de imagens do circuito interno onde ocorreu o massacre de Uvalde, Texas, no dia 24 de maio, revoltou familiares das vítimas. No tiroteio, 19 crianças e dois adultos foram assassinados. Além de não terem sido comunicados sobre a publicação das imagens, eles ficaram perplexos com a demora dos policiais para tomarem uma atitude. O vídeo publicado pelo jornal Austin American-Statesman mostra os policiais esperando no corredor, do lado de fora da sala de aula, enquanto ouviam os tiros. Três deles chegaram a se aproximar da porta da sala, mas recuaram.

As imagens mostram que os agentes demoraram mais de uma hora – precisamente 77 minutos – para entrarem na sala e matar o atirador. O jornal editou algumas imagens, tirando os gritos das crianças ao fundo. “Eles não agiram, eles não se mexeram. Eu não sei o que passou na cabeça desses agentes neste dia trágico, mas é visível que eles não fizeram nada”, disse Ronald Garza, commissioner do condado de Uvalde.

Familiares das vítimas disseram ter ficado muito abalados com o vazamento das imagens e que esse foi mais um exemplo de que a vontade dos pais “está sendo colocada de lado” nesta tragédia. “Nós fomos pegos de surpresa pelo vazamento dessas imagens. Quem eles pensam que são para divulgar um vídeo com os últimos momentos dos nossos filhos neste mundo sem o nosso consentimento”, questionou Angel Garza, que perdeu a filha de 10 anos.

O prefeito de Uvalde, Don McLaughlin, lamentou a divulgação das imagens. “Não há nenhuma razão para essas famílias assistirem isso. Eles não precisavam ver o atirador se aproximando de seus filhos. Eles não precisavam ouvir os tiros. Eles não tinham que reviver essa tragédia”. (Com informações da CNN)