Dubladora brasileira traz experiência e conhecimento para o Sul da Flórida

Com 33 anos de carreira, carioca que já dublou ‘Fiona’, quer montar elenco de dubladores na região

0
7252
Fernanda Crispim

DA REDAÇÃO – Uma das mais experientes dubladoras do Brasil – a carioca Fernanda Crispim – decidiu voar mais alto e fixar residência nos Estados Unidos, mais especificamente no Sul da Flórida. Com a carreira consolidada no Rio de Janeiro e por trás das vozes de personagens como, Fiona (do filme Shrek), Lana Lang de Smallville, Lucille de Free Willy, Tonia de Todo Mundo Odeia o Chirs, inúmeras vilãs e mocinhas de novelas mexicanas, e muitos outros personagens em 33 anos de carreira, a brasileira resolveu compartilhar sua experiência com os brasileiros que vivem no Sul da Flórida.

Com rosto de menina aos 41 anos de idade, Fernanda chegou à Flórida há exatamente um ano, com a cara, coragem e vontade de explorar uma nova realidade. Ela veio com o visto EB1 – voltado para profissionais com habilidades extraordinárias – e já tem o green card. O próximo passo será trazer os dois filhos, de 20 e 18 anos, que também atuam como dubladores no Rio de Janeiro. Fernanda quer montar um ‘timaço’ de dubladores – com técnicas brasileiras de dublagem – no Sul da Flórida. Segundo ela, a dublagem do Brasil – ao lado da Itália e França – é considerada uma das melhores do mundo. “Os Estados Unidos, por incrível que pareça, ainda está um pouco atrás quando o assunto é dublagem. O Brasil é um dos melhores nesta área e queremos trazer esse know how para cá”, explica a dubladora.

Fernanda Crispim está por trás da voz da personagem Fiona (do filme Shrek)
Fernanda Crispim está por trás da voz da personagem Fiona (do filme Shrek)

Curso de dublagem

Para quem se interessar, Fernanda em parceria com o estúdio RMP em Margate (FL), vai dar uma aula inaugural e experimental gratuita no próximo dia 12, de 5 às 8 da noite. Ela afirma que a aula inaugural será para mostrar como funciona a dublagem, as técnicas – na teoria e na prática – para montar turmas para crianças, adolescentes e adultos. As aulas serão ministradas por Fernanda. “A dublagem é para todos. É uma forma de expressar as emoções, de melhorar a autoestima, de melhorar a dicção e, claro, é um trabalho que é bem remunerado. No Brasil e aqui também, é uma chance de ter um novo trabalho”, explica a brasileira, que é apaixonada pelo que faz.

Ela conta que começou a carreira bem novinha, ela era atriz de teatro e o pai a levou para fazer um curso de dublagem no estúdio Herbert Richers (quem se lembra?), um dos primeiros estúdios do tipo no Brasil. A partir daí, não parou mais. Ela participou também da dublagem de personagens das novelas Carrossel e Chispita. Seu irmão, Peterson Adriano, dá voz ao Bart Simpson e muitos outros personagens, sendo hoje empresário do setor. “Eu quero que ele também venha para cá, mas por enquanto ele não quer. Está esperando que eu forme meu elenco de dubladores por aqui”, brinca.

Depois de montar um elenco de dubladores brasileiros nos EUA, Fernanda quer falar inglês sem sotaque para quem sabe um dia, fazer dublagem em inglês. “Sou apaixonada pela arte da dublagem e quero sim dublar em inglês”. Estamos na torcida.

Quem quiser conhecer mais sobre o trabalho da dubladora, ela está nas redes sociais como ‘Fernanda Crispim’.