Embaixada da Ucrânia diz que Lula está ‘mal informado’ sobre guerra

Declaração de petista contra presidente ucraniano contrariou diplomatas do país

0
625
O ex-presidente Lula durante evento na Brasilândia, em São Paulo; petista deu entrevista a revista Time (Foto: REUTERS)
O ex-presidente Lula durante evento na Brasilândia, em São Paulo; petista deu entrevista a revista Time (Foto: REUTERS)

A embaixada da Ucrânia no Brasil reagiu à declaração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à revista Time de que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenski, seria “tão responsável quanto Putin” pela guerra no país. A representação diplomática disse que o petista está “mal informado” e será convidado para uma audiência com o encarregado de Negócios da Ucrânia no Brasil, Anatoliy Tkach.

A Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro para supostamente tentar impedir a aproximação do país com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), representação do Ocidente controlada pelos Estados Unidos. A medida foi condenada oficialmente pela Organização das Nações Unidas (ONU) com voto favorável do Brasil e uma série de sanções econômicas já foram anunciadas.

“A Embaixada da Ucrânia acredita que ele está mal informado sobre os motivos da guerra da Rússia contra a Ucrânia”, diz a representação diplomática em nota. “A Embaixada planeja solicitar uma audiência do estimado ex-presidente do Brasil”, acrescenta. Segundo a embaixada, o encontro será para “esclarecer a posição da Ucrânia”.

A declaração de Lula à revista Time, uma das mais importantes do mundo, foi criticada no meio político ao longo de todo o dia. “Esse cara (Zelenski) é tão responsável quanto o Putin. Porque numa guerra não tem apenas um culpado”, disse o ex-presidente. “(…) o comportamento dele é um comportamento um pouco esquisito, porque parece que ele faz parte de um espetáculo”, afirmou o pré-candidato à Presidência à publicação, responsabilizando em partes ainda a União Europeia e os EUA pela guerra.

A posição sobre a guerra do presidente Jair Bolsonaro, principal rival de Lula na disputa, também já foi alvo de críticas pelo mundo político. Embora o Brasil tenha votado pela condenação da invasão, Bolsonaro tem preferido adotar um discurso de suposta neutralidade no conflito para evitar arranhões diplomáticos com a Rússia, país exportador de fertilizantes essenciais para o agronegócio brasileiro.