Empresário é acusado de comprar mansão na Flórida com dinheiro do auxílio covid-19

Além da mansão, o homem teria comprado três carros de luxo com empréstimo federal obtido de forma fraudulenta para empresas em dificuldades durante a pandemia

0
1889
A mansão no condado Seminole que as autoridades acreditam ter sido comprada com dinheiro obtido de forma fraudulenta PPP. (foto: Corcoran Premier Realty)
Mansão de 7 quartos no condado Seminole que as autoridades acreditam ter sido comprada com dinheiro do PPP. (foto: Corcoran Premier Realty)

Um morador de Bradenton, no condado de Manatee, sudoeste da Flórida, está sendo acusado de usar $7,2 milhões dos fundos do Paycheck Protection Program (PPP) para comprar uma mansão e três carros de luxo.

De acordo com os promotores que investigam o caso, Don Cisternino, teria usado o dinheiro para comprar um Maserati, um Lincoln Navigator de $89 mil, um Mercedes-Benz de $251 mil e uma casa de $ 3,1 milhões em Chuluota, no condado de Seminole, na Flórida Central.

A casa foi comprada em julho do ano passado, pouco tempo depois que ele teria conseguido o empréstimo federal sob o argumento de evitar demissões e manter companhia do qual é proprietário, MagnifiCo, de marketing e relações públicas, funcionando durante a pandemia.

Ao preencher a solicitação de empréstimo, Cisternino teria alegado que a MagnifiCo tinha 441 funcionários e uma folha de pagamento mensal em torno de $ 2,8 milhões.

A solicitação foi aprovada pela SBA (Small Business Administration) que transferiu $ 7,2 milhões em recursos do PPP para a conta da empresa. Os recursos federais do PPP buscam ajudar as empresas que sofreram perdas de receitas durante a pandemia.

O empresário transferiu o dinheiro para sua conta pessoal no banco Capital One que tinha um saldo de $ 89,44, segundo informou o processo.

A ação contra Cisternino está sendo movido pelo U.S. Attorney’s Office do Middle District of Florida.