Equipe jurídica de Donald Trump se recusa a responder às perguntas do juiz sobre documentos desclassificados

Resistência causa estranheza porque a equipe jurídica foi quem solicitou a indicação do especialista

0
276
Raymond Dearie, especialista indicado pela corte federal, para revisar os documentos apreendidos em Mar-a-Lago (Foto: law.com)
Raymond Dearie, especialista indicado pela corte federal, para revisar os documentos apreendidos em Mar-a-Lago (Foto: law.com)

A equipe de advogados de Donald Trump disse a um árbitro independente recém-nomeado que não quer responder suas perguntas sobre o status de documentos desclassificados apreendidos no mês passado na casa do ex-presidente em Palm Beach, na Flórida, dizendo que a questão pode fazer parte da defesa de Trump se ele for indiciado.

Advogados de Trump e promotores do Departamento de Justiça devem comparecer a uma corte federal no Brooklyn (NY) nesta terça-feira (20) diante de um juiz experiente indicado na semana passada como especialista para revisar os cerca de 11 mil documentos – incluindo cerca de 100 marcados como classificados – retirados durante a busca do FBI em 8 de agosto em Mar-a-Lago.

Em comunicado dirigido à imprensa, o especialista Raymond Dearie pediu às duas partes que submetam uma agenda de propostas e forneçam uma perspectiva de plano sobre como eles veem o processo avançando nos próximos dois meses.

Os advogados de Trump destacaram na carta enviada na segunda-feira (19) à tarde suas objeções a diversos aspectos desta perspectiva de plano, incluindo uma solicitação de Dearie para que divulguem a ele e à Justiça informações sobre a situação dos documentos classificados apreendidos.

A resistência ao pedido do juiz causa estranheza  porque foi a equipe de Trump, e não o Departamento de Justiça, que solicitou a indicação de um especialista para realizar uma revisão independente dos documentos a fim de que qualquer material coberto por reivindicações de privilégio legal pudesse ser separado da investigação – e porque a resistência da equipe de Trump incluiu um reconhecimento de que a investigação poderia estar se desenvolvendo em direção a uma acusação.

Trump manteve, sem provas, que todos os registros eram desclassificados; seus advogados não concordaram com essa afirmação, embora tenham dito que um presidente tem autoridade absoluta para desclassificar informações.

Na carta, os advogados de Trump dizem que a hora de abordar essa questão será quando apresentarem uma moção pedindo a devolução pelo Departamento de Justiça de alguns dos itens retirados de Mar-a-Lago.

A equipe de Trump também pediu ao juiz que considerasse adiar todos os prazos para sua revisão.