Especialistas afirmam que a Flórida pode ser o novo epicentro do coronavírus nos EUA

Entre as condições favoráveis da Flórida estão um grande número idosos e casas de repouso, além de ser um Estado populoso

0
1443
Posto de testagem em Miami Gardens (Foto Reprodução Local10 News)

Dez estados viram o número de casos da Covid-19 disparar na última semana, entre eles a Flórida, que pode se tornar o novo epicentro do coronavírus nos Estados Unidos. O alerta foi feito por cientistas do Children’s Hospital da Filadélfia e da Universidade da Pensilvânia.

Segundo a médica Jeanne Marrazzo, diretora do setor de doenças infecciosas do Alabama, a Flórida tem condições favoráveis para a proliferação do vírus por ser um dos estados mais populosos dos EUA (21 milhões de pessoas), ter muitos idosos e casas de repouso.

“O potencial do vírus ‘decolar’ novamente é grande e nos causa muito medo porque pode ter consequências catastróficas. Na Flórida há uma prevalência de casas de repouso e comunidades para maiores de 55 anos e isso preocupa”, disse.

Além da Flórida, os estados do Alabama, Arizona, Califórnia, Nevada, Carolina do Norte, Oklahoma, Oregon, Carolina do Sul e Texas viram o número de casos disparar na última semana.

Vinte e três estados estão vendo o número de casos subir e devem redobrar a atenção. Oito estados têm números estáveis e outros 18 estão vendo os casos de coronavírus caírem. São eles: Colorado, Connecticut, Illinois, Iowa, Kentucky, Maryland, Massachusetts, Michigan, Minnesota, New Hampshire, New Mexico, New Jersey, New York, North Dakota, Pennsylvania, Rhode Island, Virgínia e Wisconsin.

“A verdade é que a pandemia está muito ativa nos Estados Unidos e não tem como voltar para o normal neste momento”, disse Jonathan Reiner, professor da George Washington University.

Apesar disso, o presidente Trump disse em entrevista recente que “o vírus está morrendo” nos EUA.

Nos últimos dias, os casos de coronavírus na Flórida passaram de 2 mil a cada 24 horas. O total de casos passa de 80 mil e três mil mortes desde o início da pandemia. (Com informações da CNN)