EUA criam programa especial de saúde para imigrantes na fronteira

Medida foi adotada mais de um ano após a morte de duas crianças indocumentadas sob custódia do ICE

0
2642
O aumento no número de crianças tentando entrar ilegalmente na América com suas famílias exige um cuidado maior das autoridades de imigração (Foto: Gerald Nino – USDHS)
Crianças sob custódia da imigração devem ser libertadas (Foto: Gerald Nino – USDHS)

A US Customs and Border Protection, a agência federal que cuida da proteção das fronteiras, estabeleceu um programa especial de saúde para indocumentados que são detidos na fronteira. A decisão ocorreu mais de um ano após a morte de duas crianças da Guatemala que faleceram em dezembro de 2018, sob custódia do ICE em um centro de detenção – pelo menos outros dois imigrantes adultos faleceram em 2019, em circunstâncias semelhantes. O objetivo do governo é aumentar os cuidados médicos e a eficiência do atendimento a estas pessoas.

De acordo com a medida, o plano codificado inclui uma proposta sustentável de triagem, além de exames para sistemas respiratórios, instruções para isolar os migrantes doentes para evitar a propagação de doenças, vacinas para funcionários e fornecimento de máscaras faciais e desinfetante para as mãos. Mais de 500 profissionais médicos estão sendo contratados para ajudar a administrar os cuidados de saúde, especialmente em crianças. Nas duas mortes registradas em 2018, os menores (com idades entre 7 e 8 anos) foram diagnosticados com um simples resfriado horas antes de falecerem.

Uma investigação interna concluiu que o Departamento de Segurança Interna não teve qualquer responsabilidade nas mortes, mas o clamor por assistência médica aos imigrantes foi intenso durante todo o ano passado. Por conta disso, a agência trabalhou com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças na criação e implementação de recomendações, além de estabelecer uma meta de formalizar as políticas. “Continuamos a procurar novas maneiras de melhorar o atendimento às pessoas sob custódia temporária”, garantiu um representante do Departamento.

Durante o ano fiscal de 2019, houve 859.510 detenções pela Patrulha de Fronteira, além de 110.000 situações de pessoas que tentaram entrar legalmente, mas foram rejeitadas. O número é inferior ao registrado em anos anteriores, mas antes os indocumentados eram, em sua maioria, homens solteiros do México que eram facilmente deportados ou devolvidos ao país vizinho. Agora, ao contrário, cresceu o número de famílias inteiras da América Central tentando entrar na América, o que exige um cuidado maior. As autoridades de imigração estiveram envolvidas em mais de 20.000 visitas hospitalares este ano.