Falta de mão de obra faz transportadoras dos EUA buscarem profissionais estrangeiros

De acordo com American Trucking Associations, em 2019 o déficit de motoristas era de 60 mil e esse número deve chegar a 100 mil em 2023

0
3828
Faltam motoristas de caminhão nos EUA (Foto Wikimedia Commons)

Estão faltando motoristas de caminhão nos Estados Unidos e, para cobrir esse déficit, empresas buscam essa mão de obra em outros países. De acordo com a Bloomberg, as transportadoras estão contratando agências para buscarem esses profissionais estrangeiros.

De acordo com American Trucking Associations, em 2019 o déficit de motoristas era de 60 mil e esse número deve chegar a 100 mil em 2023.

Uma das primeiras empresas a entrar nesse programa é a Groendyke Transport Inc., que buscou uma agência de recrutamento da África do Sul para contratar os motoristas estrangeiros.

De acordo com o blog dos caminhoneiros, o problema da falta de motoristas se acentuou depois da pandemia. Muitos motoristas foram demitidos quando os níveis de fretes caíram a patamares muito baixos no início da pandemia, em abril do ano passado. Quando a economia voltou a girar, poucos meses depois, esses profissionais simplesmente buscaram outras profissões, desistindo do volante.

Além disso, como a idade média dos caminhoneiros é alta, um número muito grande tem se aposentado, e a pandemia também acelerou aposentadorias de motoristas que ainda trabalhavam, apesar da idade avançada.

“Estamos vivendo a pior falta de motoristas que vimos na história recente, de longe”, disse Jose Gomez-Urquiza, diretor executivo da Visa Solutions, uma agência de imigração com foco no setor de transporte.

Apesar de as empresas buscarem a solução fora dos Estados Unidos, os candidatos a motoristas enfrentam uma série de barreiras para imigrar. Para conseguir atuar como motorista é necessário ter carteira de habilitação americana, autorização de trabalho e uma empresa interessada na contratação do estrangeiro. Para saber mais informações sobre a carreira de caminhoneiro nos EUA, clique aqui.