Local

Flórida é ‘marco-zero’ de fentanil enviado por chineses para os EUA, diz investigação

Justiça americana acusa empresas chinesas de exportar o opioide sintético que é a principal causa de morte por drogas hoje em território americano, com mais de 100 mil casos no período de um ano

Fentanil é a principal causa de morte por drogas nos EUA. Foto: AZCentral

O Departamento de Justiça dos EUA anunciou na terça-feira (3) uma repressão a empresas e funcionários sediados na China com base em oito processos na Flórida de envio de ingredientes químicos para os Estados Unidos e o México. Nestes países, os produtos seriam usados ​​para produzir fentanil – um opioide sintético que é a principal causa de morte por drogas hoje em território americano, com mais de 100 mil casos no período de um ano.

A última rodada de investigações sobre fentanil, conduzida pela Drug Enforcement Administration, Homeland Security Investigations e outras agências federais, resultou em três acusações no sul da Flórida e cinco acusações na Flórida Central, disseram as autoridades. “Este é apenas o começo da nossa luta”, disse o procurador dos EUA em Miami, Markenzy Lapointe. O fentanil é a maior causa de mortes por overdose de drogas na Flórida, com cerca de 3 mil mortes por ano, em média, desde 2020, muito à frente da cocaína, heroína e outros narcóticos mortais.

As investigações no sul da Flórida acusam três empresas chinesas e quatro agentes de tráfico de fentanil, tráfico de opiáceos sintéticos, importação de precursores químicos, fraude nos Correios dos EUA e produção e utilização de portes falsificados. Entre os acusados: Hanhong Medicine Technology Company, uma empresa farmacêutica localizada em Wuhan, província de Hubei, e os cidadãos chineses Changgen Du, 30, e Xuebi Gan, 28, acusados ​​de exportar grandes quantidades de produtos químicos e aditivos para traficantes de drogas nos Estados Unidos e México.

Também acusada, Jiangsu Bangdeya New Material Techonology Company, uma empresa farmacêutica localizada em Jiangsu, China, e seu proprietário, Jiantong Wang, 40 anos, vão responder por anunciar abertamente on-line como uma empresa de exportação de produtos químicos para fabricar fentanil em outros países. As autoridades dizem que Bangdeya importou ilegalmente grandes quantidades para os Estados Unidos, inclusive para um traficante de drogas no sul da Flórida.

“Sabemos que a cadeia global de fornecimento de fentanil, que termina com a morte de americanos, muitas vezes começa com empresas químicas na China”, disse o procurador-geral Merrick B. Garland durante uma coletiva de imprensa em Washington, D.C., na terça-feira (3). “O governo dos Estados Unidos está concentrado em quebrar todos os elos dessa cadeia, retirar o fentanil das nossas comunidades e levar à Justiça os responsáveis.”

Embora a República Popular da China tenha cooperado com o governo dos EUA em crimes relacionados com o fentanil no passado, as relações tornaram-se tensas entre os dois países nos últimos meses. Em junho, o Departamento de Justiça divulgou três acusações em New York acusando empresas sediadas na China de facilitar a produção e distribuição do fentanil, o que resultou na detenção de dois cidadãos chineses. As autoridades de Pequim, por sua vez, responderam alegando que a DEA tinha conduzido uma operação policial, “sequestrando cidadãos chineses descaradamente” nas Ilhas Fiji, e depois levando-os para os Estados Unidos para julgamento, “minando assim seriamente os alicerces da cooperação antinarcóticos” entre os governos chinês e americano.

*com informações do Miami Herald

Compartilhar Post:

Baixe nosso aplicativo