Flórida recupera $1,7 milhão roubado de idosos em 2020

Força-tarefa comandada pela Procuradoria-Geral do estado com a ajuda de voluntários constatou que golpes contra pessoas mais velhas foram ainda mais frequentes durante a pandemia

0
1131
Os golpes eram aplicados por telefone e fez mais de 250 vítimas no estado (foto: flickr)
Desde 2001, o estado retornou mais de $ 22.5 milhões para idosos vítimas de fraudes (foto: flickr)

Uma força-tarefa comandada pela procuradora-geral da Flórida, Ashley Moody, recuperou $ 1,7 milhão roubado de 11 mil idosos durante o ano 2020. Golpes contra as pessoas mais velhas do estado foram ainda mais frequentes durante a pandemia, de acordo com Moody.

“À medida que o covid-19 se espalhou rapidamente pelo mundo, os criminosos dobraram seus esforços para atingir os idosos, disse. A identificação das ações fraudulentas e o mapeamento dos golpistas só foi possível graças ao trabalho conjunto entre o estado e um grupo de voluntários que se auto-intitula “voluntários contra o crime”.

Segundo relatou a procuradora, os voluntários entraram em contato com as vítimas, coletaram dados de telefonemas suspeitos recebidos por elas e  forneceram as ferramentas necessárias para evitar fraudes – tudo sem nenhum custo.

O relatório mais recente “Idosos vs. Crime” mostra que  1.783 idosos entraram em contato diretamente com o governo estadual ano passado para denunciar fraudes ou situações abusivas contra eles. Número que aumentou substancialmente com a ajuda dos voluntários.

A lista de crimes relatados envolve não somente roubo de dinheiro mas circunstâncias como a de um idoso que teve sua viagem cancelada devido à pandemia e arcou com vários prejuízos, um casal de Fernandina que teve problemas com um empreiteiro que pegou um depósito de $ 1,5 mil para fazer um trabalho e desapareceu, e um prestador de serviços que se propôs a fazer reparos na casa de uma senhora e causou danos ao interior.

Desde o dia primeiro de julho de 2001, a Procuradoria-Geral do estado retornou mais de $ 22.5 milhões para as vítimas. A linha direta de contato entre idosos e autoridades públicas funciona desde 1989.