Goiano é preso pela Interpol em Boca Raton por supostos crimes de racismo e homofobia

Thiago Cabral teria usado as redes sociais para cometer os crimes contra moradores da cidade de Quirinópolis, onde ele residia antes de se mudar para os EUA

0
2497
Thiago Cabral (foto: Facebook)

O brasileiro Thiago Cabral, residente de Boca Raton, na Flórida, foi preso pela Interpol no domingo (12) por supostos crimes de racismo e homofobia contra cinco moradores de Quirinópolis; cidade que fica 289 km de Goiânia. Ele agora aguarda decisão das autoridades americanas sobre sua extradição para o Brasil. A denúncia contra Thiago foi apresentada pela Polícia Civil do município de Goiás e alega que ele usou as redes sociais para cometer os crimes. O acusado morava em Quirinópolis até se mudar para os EUA.

Os agentes receberam áudios com ofensas enviadas pelo suspeito em grupos de aplicativos de mensagens e também privados. Entre as vítimas está o secretário municipal de esportes Nubyano do Nascimento Pereira, que é homossexual. “O dia que uma aberração igual você, abominada por Deus, parir pelo c**# eu concordo com você. Mas, por enquanto, você só é uma aberração”, disse em um dos áudios enviados. Em outra gravação uma pessoa diz que vai tomar providências e ele responde: “Quem vai me processar? Você [risada]. Macaco [risada]! Chimpanzé!”

Em nota, os policiais disseram que ele estava “crente na impunidade pelo fato de residir nos EUA”. “O autor seguia praticando delitos de forma reiterada por intermédio das redes sociais. A Polícia Civil representou por sua prisão preventiva, que foi deferida pelo Poder Judiciário local e o mandado incluído na difusão vermelha da Interpol para possibilitar o cumprimento pelas autoridades norte-americanas”, diz a nota.

No total, cinco pessoas da cidade denunciaram o brasileiro por crimes desta natureza. Além de racismo e homofobia, Thiago Cabral também terá que responder por calúnia, difamação, injúria, injúria qualificada por preconceito racial e ameaça. O AcheiUSA tentou contato com a defesa do brasileiro mas não obteve resposta até a conclusão da matéria. O espaço continua aberto para o posicionamento.