Goldman Sachs: “A economia vai desacelerar muito, mas há perspectiva”

Economista-chefe do banco de investimentos prevê um período difícil a curto prazo, mas recuperação no futuro

0
771
O economista David Mericle acredita em recuperação da economia no médio prazo (Foto: Reprodução do Youtube)
O economista David Mericle acredita em recuperação da economia no médio prazo (Foto: Reprodução do Youtube)

Se há alguma vantagem para os investidores da desaceleração da economia dos EUA, é que o Federal Reserve pode não ter outra escolha a não ser frear seu ritmo agressivo de aumentos de juros no final deste ano. “Uma das razões pelas quais eles devem reduzir o ritmo é que a economia vai desacelerar muito. E veremos isso de uma maneira muito mais abrangente”, acredita o economista-chefe do Goldman Sachs nos EUA, David Mericle. Ele prevê que o Fed aumentará as taxas de juros em 75 pontos base em sua reunião de julho, 50 pontos base em setembro e 25 pontos base em novembro e dezembro.

O economista vê 30% de chance de recessão nos próximos 12 meses e pouco menos de 50% de probabilidade dentro de dois anos. O Goldman Sachs está prevendo um crescimento do PIB de 1,4% no próximo ano. O pano de fundo para um Federal Reserve menos agressivo, de acordo com Mericle e sua equipe no Goldman Sachs, é essencialmente um mercado de trabalho em esfriamento que está reduzindo a inflação.

O caminho traçado pela empresa de investimentos seria uma notável mudança de ritmo: a economia dos EUA criou 372.000 empregos em junho, enquanto a taxa de desemprego se manteve estável em 3,6% no mês passado. Esses números robustos seguiram os ganhos de 384.000 empregos em maio e 436.000 em abril.

Ao mesmo tempo, com o Federal Reserve aumentando agressivamente as taxas de juros para conter a inflação e desacelerar a economia, as empresas começaram a conter as contratações. Grandes empresas de tecnologia como Alphabet e Meta começaram a reduzir as contratações após anos de crescimento vertiginoso, pressionadas em parte pela queda nos preços das ações. Enquanto isso, Tesla e Netflix recentemente tiveram rodadas de demissões.