Governo dificulta processo de asilo para imigrantes

USCIS não terá mais prazo para processar autorizações de trabalho em casos de asilo

0
1409
Honduras foi o país com maior número de pedidos de asilo negados (foto: Daniel Arauz - flickr)
Honduras foi o país com maior número de pedidos de asilo negados (foto: Daniel Arauz - flickr)

Por Débora Maia

O Departamento de Homeland Security (DHS) publicou uma nova proposta para dificultar ainda mais a aprovação de pedidos de asilo nos Estados Unidos.

Pela lei em vigor, os pedidos de autorização de trabalho devem ser processados pelo US. Citizenship Immigration Services (USCIS) até 30 dias após a solicitação de asilo, mesmo que o processo legal ainda não tenha sido concluído. Este prazo foi imposto há mais de vinte anos, e era tido como uma forma de diminuir as chances de os asilados trabalharem ilegalmente nos Estados Unidos.

Porém, uma medida publicada na sexta-feira (19) e que começa a valer no próximo dia 21 de agosto, excluiu esse prazo e não estabeleceu um novo, deixando incerta a espera pelo direito de trabalhar em território americano.

Em comunicado, o USCIS declarou que a mudança ajudará a “garantir tempo suficiente para receber, rastrear e processar solicitações de autorização de trabalho para os casos de asilo. Além de reduzir as possibilidades de fraude nos processos realizados para cada pedido de autorização de emprego.

“Nossa prioridade é proteger a integridade do sistema legal de imigração do nosso País contra aqueles que procuram explorá-lo ou abusá-lo” disse o vice-diretor de políticas do USCIS, Joseph Edlow.

Semana passada, outro documento de 161 páginas foi publicado pelo US

Department of Homeland Security impondo novas exigências para os imigrantes à procura de asilo nos Estados Unidos. Entre elas, a recomendação aos juízes de imigração para que sejam mais seletivos na hora de conceder o asilo, e a autorização para que os pedidos sejam negados sem necessidade de audiências.

As novas regras têm 30 dias para receberem sugestões de mudanças. A expectativa é que grupos pró-imigrantes contestem a decisão na Justiça.