Governo e Congresso Nacional criam comitê de combate à covid-19

A criação do comitê foi anunciada após reunião no Palácio da Alvorada e Bolsonaro voltou a citar o tratamento precoce

0
533
Presidente Jair Bolsonaro se reuniu com líderes de outros poderes para buscar soluções em combate à pandemia (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Presidente Jair Bolsonaro se reuniu com líderes de outros poderes para buscar soluções em combate à pandemia (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

DA REDAÇÃO – O presidente Jair Bolsonaro anunciou na quarta-feira (24) a criação de um comitê de coordenação nacional para o combate à pandemia de covid-19. O grupo terá reuniões semanais e será formado pelo chefe do Executivo e os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco, e da Câmara, Arthur Lira, e outros membros.

A medida foi decidida em reunião no Palácio da Alvorada, onde Bolsonaro recebeu, além dos presidentes do Parlamento, o líder do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, o procurador-geral da República, Augusto Aras, governadores, ministros de Estado e representantes de instituições independentes.

De acordo com o presidente, houve unanimidade entre todos os presentes sobre a necessidade de ampliar a capacidade de produção e aquisição de vacinas para alcançar a imunização em massa da população. Além disso, o presidente também falou sobre a possibilidade de “tratamento precoce”. “Isso fica a cargo do ministro da Saúde [Marcelo Queiroga], que respeita o direito e o dever do médico de tratar off-label os infectados”, disse.

O medicamento chamado off-label é aquele prescrito pelo médico que diverge das indicações da bula. Desde o início da pandemia, no ano passado, Bolsonaro defende o uso dessas medicações como, por exemplo, a hidroxicloroquina, que não tem eficácia científica comprovada contra covid-19, mas pode ser prescrito por médicos com a concordância do paciente.

Para o novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a conclusão da reunião foi pelo fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) para prover à população brasileira, “com agilidade” uma campanha de vacinação que possa atingir uma cobertura vacinal capaz de reduzir a circulação do vírus. Por outro lado, segundo ele, também fortalecer a assistência à saúde, nos três níveis – municipal, estadual e federal – “com a criação de protocolos assistenciais capazes de mudar a história natural da doença”.

Coordenação com governadores

A coordenação com os governadores dos estados e do Distrito Federal será feita pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que receberá as demandas e encaminhará ao comitê.

De acordo com Pacheco, o comitê será um grupo permanente de trabalho e sem delegação por parte dos presidentes do Executivo e do Legislativo.

Leitos de UTI

Na reunião de hoje, segundo o senador, algumas medidas já foram definidas como prioritárias, como a participação da iniciativa privada na ampliação de leitos de terapia intensiva, a solução de problemas de desabastecimento de oxigênio, insumos e medicamentos e, “fundamentalmente, a política do Ministério da Saúde para vacinação do povo brasileiro”. “Isso exige mais do que nunca a colaboração de todos os poderes e instituições, da sociedade e da imprensa para que consigamos alargar a escala da vacinação no Brasil”, disse Pacheco.

Na sequência do encontro no Palácio da Alvorada, o presidente da Câmara, Arthur Lira disse que se reunirá com líderes partidários para tratar de projetos que podem ser votados. Um deles é a oferta de novos leitos em parceria com a iniciativa privada.

Parcerias com outros países

De acordo com o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, algumas ações também serão tomadas no campo diplomático com o objetivo de buscar parceria com países que têm uma cota maior do que a necessária de vacina para que haja o compartilhamento com o Brasil.

Além disso, o grupo quer “sensibilizar os laboratórios” que detêm as tecnologias de produção de vacinas para que “também entendam a necessidade de ser compartilhada para que outros laboratórios possam produzir, já que temos uma demanda de 8 bilhões de pessoas no planeta. “É hora de mostramos solidariedade e que todos nós temos hoje a responsabilidade de salvar vidas”, disse.

Brasil atinge 300 mil mortos de covid com colapso hospitalar

Número é equivalente ao total de habitantes de cidades como Palmas ou Limeira. País já está há mais de duas semanas como líder mundial nos óbitos diários pela doença

O Brasil chegou a 300.015 mortes pelo novo coronavírus na quarta-feira (24). São mais de 300 mil despedidas em pouco mais de um ano de pandemia – muitas delas em meio ao colapso hospitalar e sem a assistência médica necessária.

O consórcio de imprensa formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL levantou, junto às secretarias estaduais de Saúde, 2.244 mortes e 90.504 casos nas últimas 24 horas. Ao todo, os veículos de imprensa registraram 301.087 mortes e 12.227.179 infecções pelo novo coronavírus.

O Brasil vive seu pior momento na pandemia, tendo registrado na véspera um recorde de mais de 3 mil óbitos em um único dia. O País é apenas o segundo a ultrapassar as 300 mil mortes por covid-19 no mundo, após os Estados Unidos.

Além disso, o Ministério da Saúde ainda reportou nesta quarta-feira 89.992 novos casos confirmados de coronavírus no País, o que eleva o total de infectados a 12.220.011, também a segunda maior marca global. Com informações da Agência Brasil.