Homem já deportado seis vezes é acusado de envolvimento em mortes de mendigos na CA

Ramon Escobar foi preso acusado de três homicídios, tentativa de homicídio e roubo em ataques envolvendo moradores de rua em Los Angeles e Santa Monica

0
2170
Ramon Escobar foi preso acusado de diversos crimes
Ramon Escobar foi preso acusado de diversos crimes

Um imigrante de El Salvador com extensa ficha criminal e que já foi removido dos Estados Unidos seis vezes foi preso acusado de três homicídios, duas tentativas e de roubar pertences de moradores de rua de Los Angeles e Santa Monica na Califórnia. As informações são da AP.

Ramon Escobar, de 47 anos, foi preso na segunda-feira (24) depois de câmeras de segurança mostrarem ele agredindo um homem que estava dormindo na rua em Santa Monica. O morador de rua está internado em coma. Ele foi acusado de outras mortes e também de ser responsável pelo desaparecimento de sua tia, Dina Escobar.

Ele está preso sem direito à fiança. Segundo a polícia, Escobar está ligado a sete ataques, sendo o primeiro no dia 8 de setembro quando atacou uma pessoa que estava dormindo na praia (a vítima sobreviveu); ataque a outra pessoa que estava dormindo na praia (vítima ainda está em coma no hospital); no dia 16 de setembro, atacou três mendigos em Los Angeles, dois morreram e outro está internado em estado grave.

No dia 20 de setembro, é acusado de espancar até a morte Steven Cruze Jr., de 39 anos, no píer de Santa Monica. O último ataque ocorreu na segunda-feira (24), quando ele foi finalmente detido pelas autoridades.

A tia de Escobar foi vista pela última vez no dia 28 de agosto e sua van foi encontrada queimada no dia 30 em Galvaston, Texas. Na época do desparecimento, Escobar foi questionado, mas negou qualquer envolvimento e não havia provas suficientes para detê-lo. Ele estava morando com Dina na época do seu desaparecimento.

Deportado seis vezes

De acordo com informações da Imigração, Escobar foi removido dos EUA seis vezes entre 1997 e 2011. Ele tinha em sua ficha criminal acusações de reentrada ilegal no País e roubo.

Em 2016, ele foi liberado por um juiz de Imigração, mas as razões para a libertação não foram especificadas. O ICE se limitou a dizer que ele foi libertado ‘sob a condição de ser supervisionado’.

“Mesmo pessoas com uma horrenda ficha criminal podem pedir asilo humanitário para permanecer nos Estados Unidos”, disse o juiz de Imigração aposentado, Andrew Arthur. Ele é favorável que haja leis imigratórias mais rígidas.