Insistência da namorada salva brasileiro do desabamento em Surfside

Erick de Moura morava há três anos na mesma parte do prédio que caiu na manhã de quinta-feira (22)

0
3531
Erick e a namorada Fernanda Figueiredo (foto: Reprodução)

O brasileiro Erick de Moura, de 40 anos, morou no 10º andar do Champlain Towers South, em Surfside, FL, por três anos, na mesma parte do prédio que desabou na manhã de quinta-feira (22).

Na quarta-feira à noite, ele foi jogar futebol e depois seguiu para a casa da namorada, a também brasileira Fernanda Figueiredo, onde convidou amigos para assistir à partida da Copa América entre Brasil e Colômbia.

Após o jogo, Erick se preparava para voltar para o Champlain Towers quando Fernanda insistiu para que ele ficasse. “Ela me disse:‘ Quando teremos uma quarta-feira à noite só nós dois? ’”, falou o brasileiro durante entrevista ao ABC World News Tonight.

Ele aceitou o convite o que, segundo o sobrevivente, é algo atípico às quartas-feiras por ele geralmente tem uma um agenda de trabalho corrida às quintas.

Quando acordou de madrugada para ir ao banheiro, ele viu no celular várias chamadas perdidas de amigos e mensagens da porteira do seu prédio. “Você está bem?”, perguntavam. Sem entender o que estava acontecendo, ele retornou as ligações. “A porteira disse: O prédio caiu. Tem gente morta. Meu corpo inteiro se arrepiou”, lembra.

Outros brasileiros que moravam no prédio se salvaram, como uma família de cinco pessoas que está no Brasil atualmente. Há também uma brasileira que estava visitando a mãe na hora do desabamento e aguarda notícias do marido e do filho de cinco anos, que estão desaparecidos.

“Eu sou tão abençoado por não estar em casa quando o prédio desabou e muito grato por estar vivo”, escreveu Erick em uma página do site Gofundme.

Na descrição da campanha criada para arrecadar fundos para ajudá-lo a superar esse momento trágico, ele diz que “Deus operou um milagre em minha vida através dela [da namorada]. Eu estava me despedindo na porta da garagem, prestes a entrar no meu carro, e ela me disse que eu não iria para casa. Eu não entendo por que ela fez isso, mas salvou minha vida”.

Até a manhã desta quarta-feira (29), 16 mortes estão confirmadas e 145 pessoas continuam desaparecidas.

Para contribuir com a campanha ‘Help Erick Surfside Reborn’ clique aqui.